…

Em discurso na ONU, Damares defende a vida “desde a concepção”

Sociedade

Em seu primeiro compromisso internacional após tomar posse como ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves falou no Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça, e defendeu “o direito à vida desde a concepção”. A ministra de Bolsonaro aproveitou o discurso para mais uma vez defender sua posição, sem, porém, citar a palavra aborto.

Damares já declarou que é contra a legalização do aborto em todas as situações. Ela alega que as mulheres fazem isso porque, possivelmente, não foi dada outra opção. “Não pouparemos esforços no enfrentamento da discriminação e da violência contra as mulheres, sobretudo o feminicídio e o assédio sexual”, afirmou.

Embora tenha mais uma vez se posicionado contra a violação dos direitos humanos, a ministra não citou o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. O caso aconteceu no Rio de Janeiro há quase um ano e segue sem resposta.

A própria ONU foi um dos órgãos que cobrou investigação da morte da ex-vereadora do PSOL  e, mesmo assim, não houve uma explicação da ministra. “O país segue comprometido com a proteção dos corajosos defensores de direitos humanos”, defendeu.

Leia também: Damares Alves: "Temos que combater o ativismo no Judiciário"

Venezuela

Damares também fez duras críticas ao atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, o qual ela reconhece como ilegítimo. “O Brasil uniu-se aos esforços do autoproclamado presidente do país, Juan Guaidó, não para intervir, mas para prover imediata ajuda humanitária ao povo venezuelano”, disse.

O governo brasileiro não reconhece Maduro como presidente da Venezuela. Essa decisão fez com que Maduro não aceitasse a ajuda humanitária enviada ao país, alegando que os Estados Unidos e os países aliados querem dar um golpe na Venezuela.

No final de semana, houve conflitos na fronteira dos dois países. Esse é o terceiro dia de confrontos da região desde que o presidente venezuelano anunciou o fechamento das fronteiras.

Leia também: Conselho de Damares Alves para quem é pai de menina: fuja do Brasil!

“O Brasil apela à comunidade internacional a somar-se ao esforço de libertação da Venezuela, reconhecendo o governo legítimo de Guaidó e exigindo o fim da violência das forças do regime contra sua própria população”, disse a ministra.

O discurso de Damares na ONU ignorou também o debate sobre a criminalização da homofobia, que está sendo julgado pelo STF. Até o momento, quatro ministros votaram a favor do enquadramento da homofobia, que é caracterizada por condutas de preconceito contra o público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais) como crime de racismo.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem