…

Conselho de Damares Alves para quem é pai de menina: fuja do Brasil!

Política

Para a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, é preciso uma “revolução cultural lá na escola” que dê conta de combater a violência contra a mulher. Sem explicar que revolução seria essa, e esquecendo-se por alguns segundos do “Brasil acima de tudo” do chefe Bolsonaro, ela soltou nova pérola (e novo simplismo): que os pais de meninas fujam do país como antídoto para a brutalidade. A declaração ocorreu nesta sexta-feira 15, em entrevista à Rádio Jovem Pan de João Pessoa.

“A gente vê um quadro que vamos precisar mudar. Recebemos uma pesquisa que diz que o Brasil é o pior lugar da América do Sul para criar meninas. Vejam só: se eu tivesse que dar um conselho para quem é pai de menina, mãe de menina? Foge do Brasil! Você está no pior país da América do Sul para criar meninas”, disse.

Segundo ela, um dos índices que levam a esse resultado é o abuso sexual de meninas. “O número é absurdo! Há pesquisas que indicam que uma a cada três meninas no Brasil será abusada até os 18 anos de alguma forma. É muito! Vamos ter que rever a proteção à mulher com uma revolução cultural. Teremos que trabalhar uma mudança de comportamento no Brasil”, declarou a ministra.

Colecionadora de polêmicas

Quadro central no governo eleito sob o discurso conservador, a ministra, que é pastora da Igreja do Evangelho Quadrangular, coleciona declarações polêmicas, e por vezes desrespeitosas.

“Há 16 anos atrás falávamos que estaríamos em uma ditadura gay no Brasil. O que estamos vivendo hoje? Uma ditadura gay“, disse a ministra durante uma palestra em Belém do Pará.

Em vídeo gravado em 2014, Damares afirmou que o movimento LGBT tem uma estratégia para retirar a Bíblia de circulação. “Eu não estou exagerando! O movimento gay é articulado e sabe influenciar”, bradou a ministra.

De acordo com ela, os gays já estão se articulando e dizendo por aí que duas das palavras mais ofensivas e homofóbicas em língua portuguesa são sodomitas e efeminados.

“Aonde estão essas palavras? Na Bíblia Sagrada!”, alerta a ministra. “Eles (os gays) com certeza vão tentar recolher a Bíblia no Brasil!”

Leia também: Homofobia no Supremo: Celso de Mello alfineta Damares Alves

Já em palestra feita em um templo evangélico em 2013, a ministra afirmou que o Brasil tem cada vez mais “hotéis de fachada, para turistas irem transar com animais”. De acordo com ela, as notícias sobre a existência de tais estabelecimentos chegaram por meia de denúncias feitas a gabinetes de deputados evangélicos no Congresso Nacional.

O nome de Damares foi parar na lista dos assuntos mais comentados da Holanda ao afirmar que os pais holandeses masturbavam seus bebês. “Na Europa já está influenciando que precisamos aprender a masturbar nossos bebês a partir dos sete meses de idade.”

Em janeiro circulou um vídeo em que ela dizia, no dia da posse, ter início uma “nova era” no Brasil, onde “menino veste azul e menina veste rosa”.

Em outro vídeo, já empossada como ministra, ela afirma que mulheres feministas são feias e têm inveja das que não são, pois, para elas, as que não são feministas são lindas. “Sabem por que elas (feministas) não gostam de homem? Porque são feias, e nós somos lindas.”

Há cinco anos, como pastora, Damares defendeu a tese de que a Igreja perdeu espaço na sociedade brasileira ao “deixar a teoria da evolução entrar nas escolas”, sinalizando que os evangélicos precisavam ocupar o espaço da ciência.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem