Política

Ministério e Anac investigarão morte de cachorro em um voo da Gol

O golden retriever Joca deveria ter sido levado de Guarulhos (SP) a Sinop (MT), mas foi parar em Fortaleza (CE)

Créditos: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Ministério de Portos e Aeroportos e a Agência Nacional de Aviação Civil anunciaram uma investigação sobre a morte do cachorro Joca, durante uma viagem aérea da companhia Gol.

A apuração foi alinhada em uma reunião entre o diretor-presidente da Anac, Tiago Pereira, e o ministro Silvio Costa Filho (Republicanos).

A agência solicitou à Gol informações sobre as condições de transporte do golden retriever e o seu envio para um local diferente do contratado.

Nesta quarta-feira 24, o presidente Lula (PT) reforçou o pedido de investigação sobre o caso. “Acho que a Gol tem que prestar contas, a Anac tem que fiscalizar isso. Acho que a gente não pode permitir que isso continue acontecendo no Brasil”, disse o petista, que usou uma gravata com a estampa de um cachorro, em homenagem a Joca.

O cachorro deveria ter sido levado do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) a Sinop (MT), onde seu tutor o aguardava, mas foi parar em Fortaleza (CE). Após a constatação do erro, o animal foi enviado de volta a Guarulhos, mas chegou morto ao aeroporto.

Depois do caso, a Gol anunciou a suspensão da venda do serviço de transporte de animais por 30 dias, a partir desta quarta. De acordo com a companhia, a medida valerá até que as investigações terminem. A decisão, no entanto, não afetará clientes que levam seus pets na cabine do avião.

Clientes que contrataram o transporte de animais para o período de 24 de abril a 23 de maio poderão optar pela restituição total do valor, inclusive o da passagem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo