CartaExpressa

AtlasIntel/CNN: Boulos tem 35,6% e Nunes 33,7% das intenções de voto para a prefeitura de SP

Ambos estão tecnicamente empatados, no limite da margem de erro do levantamento

Guilherme Boulos e Ricardo Nunes. Fotos: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados e Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O instituto AtlasIntel, em parceria com a CNN Brasil, divulgou, nesta quarta-feira 24, uma nova rodada rodada de pesquisa de intenção de voto para a prefeitura de São Paulo. O levantamento traz o deputado Guilherme Boulos (PSOL-SP) numericamente à frente do atual prefeito Ricardo Nunes (MDB).

Boulos tem 35,6% das intenções de voto na pesquisa divulgada hoje. Nunes, por sua vez, alcançou 33,7%, Assim, os dois candidatos estão empatados no limite da margem de erro.

No cenário montado pela AtlasIntel, a pré-candidata Tabata Amaral (PSB) obteve 14,7%. Ela é seguida por Kim Kataguiri (União Brasil, com 9,4%) e Maria Helena (NOVO, com 3,5%. O pré-candidato Altino Prazeres Junior não registrou intenção de voto.

No levantamento, 2,2% disseram que vão votar em branco ou nulo. Os que disseram que não sabem em quem votar somam 0,9%.

Apesar da superioridade numérica de Boulos sobre Nunes, a pesquisa divulgada hoje mostrou o tamanho do avanço do atual prefeito sobre o eleitorado paulistano.

Na rodada anterior da pesquisa AtlasIntel, divulgada em dezembro do ano passado, o emedebista somava 18%. O avanço, portanto, é de mais de 15 pontos percentuais. Boulos, à época da pesquisa anterior, somava 29,5% das intenções de voto. 

A AtlasIntel entrevistou 1.629 moradores da cidade de São Paulo, entre os dias 8 e 22 de abril. A margem de erro da pesquisa é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.