Sociedade

Laudo do IML não conclui se idoso morreu antes ou depois de chegar a agência bancária no Rio

Segundo o documento, a causa da morte envolveu broncoaspiração de conteúdo estomacal e falência cardíaca

Apoie Siga-nos no

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) concluiu não ser possível indicar se Paulo Roberto Braga, de 68 anos, foi levado morto até uma agência bancária na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro ou se ele morreu no estabelecimento.

Segundo o laudo, divulgado pela TV Globo, a causa da morte envolveu broncoaspiração de conteúdo estomacal e falência cardíaca.

O perito do IML sustenta que a morte pode ter ocorrido entre 11h30 e 14h30.

“Não há elementos seguros para afirmar, do ponto de vista técnico e científico, se o Sr. Paulo Roberto Braga faleceu no trajeto ou interior da agência bancária, ou que foi levado já cadáver à agência bancária”, diz o documento.

Já uma perícia inicial da Polícia Civil indicou que sinais encontrados no corpo do idoso apontam que ele morreu deitado – ou seja, o falecimento não teria ocorrido durante o atendimento no banco.

Braga foi levado na última terça-feira 16 por Erika de Souza Vieira Nunes para sacar 17 mil reais em Bangu. Os funcionários, porém, suspeitaram que o homem estava morto.

A polícia informou ao site G1 que havia livor cadavérico na parte de trás da cabeça de Braga e que a indicação é que ele morreu pelo menos duas horas antes do atendimento da equipe do Samu na agência.

O livor é um acúmulo de sangue decorrente da interrupção da circulação. No caso dele, acumulou-se na nuca, a sugerir que o homem deve ter morrido deitado.

Erika foi presa em flagrante e autuada por tentativa de furto mediante fraude e vilipêndio a cadáver.

A polícia investiga ainda o possível envolvimento de outras pessoas em uma tentativa de golpe, como o motorista de aplicativo que deixou a mulher e o homem na agência.

A advogada de Érika, Ana Carla de Souza Correa, afirma que o idoso estava vivo quando chegou ao banco e que sua cliente tinha um estado emocional abalado, sob efeito de remédios.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo