Sociedade

Aneel rejeita recurso da Enel e mantém multa de R$ 166 milhões por apagão em São Paulo

Segundo a agência reguladora, a empresa italiana falhou no atendimento aos clientes na capital do estado em novembro do ano passado

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) rejeitou, nesta terça-feira 9, um recurso da Enel contra multa imposta pela agência após o apagão em São Paulo, em novembro de 2023.

Com a rejeição do apelo, a Enel terá de pagar a multa de 165,8 milhões de reais imposta pela agência pela interrupção dos serviços na capital do estado.

Naquela ocasião, 25% dos clientes da empresa em SP e região metropolitana da cidade ficarem sem energia por vários dias. Em alguns casos, a empresa demorou cerca de uma semana para retomar o abastecimento. Segundo a agência, na situação, a Enel falou no atendimento aos clientes e também nos serviços de reestabelecimento de energia.

A empresa alegou no recurso recusado nesta terça que ventos atípicos atingiram a região e que, diante da situação, agiu o mais prontamente possível para mitigar os danos causados à rede elétrica.

Para a Aneel, a empresa falhou, por exemplo, ao não ter aumentado as equipes que trabalhavam na retomada dos serviços.

“O pico das unidades sem luz ocorreu entre 18h e 19h da sexta-feira, mas, 24 horas depois, só 60% dos consumidores tiveram o fornecimento de energia restabelecido”, diz um trecho da decisão da agência.

Segundo a área técnica da agência reguladora, a principal causa para o tempo de atendimento médio a emergências “fora do razoável” é o dimensionamento das equipes da Enel, que estariam abaixo do necessário.

“Ficou evidenciada então uma demora por parte da distribuidora para alocação de equipes para atendimento a ocorrências emergenciais”, disse o técnico da Aneel, Thompson Sobreira Rolim Júnior na reunião que confirmou a multa de quase 166 milhões de reais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo