Economia

Novo PAC deve ter R$ 31 bilhões em investimentos na saúde

Uma das propostas é buscar a universalização do Samu, com a inclusão em 1600 cidades no programa

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O novo PAC, o programa de aceleração do crescimento, vai destinar para a área da saúde quase R$ 31 bilhões para os próximos anos. Uma das metas é construir três mil Unidades Básicas de Saúde e retomar obras para outros 600 postos.

Os recursos serão para atenção primária, atenção especializada, telessaúde, preparação para emergências sanitárias e para o complexo econômico-industrial da saúde, afirmou nesta segunda-feira 14 a ministra da saúde, Nisia Trindade.

Mais 360 unidades móveis de saúde bucal devem ser entregues. São mais de R$ 7 bilhões para esse atendimento primário. Outra proposta é buscar a universalização do Samu, com a inclusão em 1.600 cidades no programa.

Ainda está prevista a construção de 90 policlínicas, 60 maternidades, 90 centros de parto normal, 200 centros de atenção psicossocial, 60 centros de reabilitação e oficinas ortopédicas, com foco em pessoas com deficiência, e a expansão da radioterapia no SUS.

Para essa atenção especializada em saúde, a previsão é de quase R$ 14 bilhões. Segundo a ministra, a atenção primária e a atenção especializada são os pilares do atendimento à população.

Cadeia de produção

Para o complexo industrial da saúde o investimento é de quase R$ 9 bilhões para fortalecer a cadeia de produção de imunobiológicos, fármacos e equipamentos; para o investimento no complexo da Fiocruz e no parque da empresa pública de hemoderivados, a Hemobrás.

Outro destaque do PAC para saúde é o investimento de R$ 272 milhões para preparação para emergências em saúde, como pandemias.

A proposta é equipar laboratórios de saúde pública, investir no centro de inteligência genômica e a construção do novo memorial da pandemia, no Rio de Janeiro.

Já em telessaúde, o investimento será de R$ 150 milhões em equipamentos para teleconsulta em mais de 6 mil UBS e para novos núcleos da Rede Nacional de Telessaúde.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo