Economia

Governadores questionam no STF trechos da Lei das Apostas Esportivas

Grupo é formado por políticos aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro, como Tarcísio de Freitas, Romeu Zema, Ratinho Jr. e Ibaneis Rocha

Foto/Divulgação: Joédson Alves (Ag܂Brasil)
Apoie Siga-nos no

Governadores de seis estados e do Distrito Federal questionam no Supremo Tribunal Federal (STF) a constitucionalidade de artigos da Lei das Apostas Esportivas. 

Os governadores alegam que a norma, sancionada pelo presidente Lula (PT) em dezembro de 2023, proíbe que grupos econômicos explorem serviços lotéricos em mais de um estado. 

Para eles, a restrição reduziria a participação de empresas em licitações e favoreceria um ambiente de competição entre os estados. 

“Essas consequências devem recair, principalmente, sobre os estados de menor pujança econômica. Isso porque, cabendo ao operador privado a concessão em apenas um estado, espera-se que serão priorizados, pelos agentes econômicos mais capacitados, aqueles cuja demanda populacional seja maior, bem como cuja população detenha maior poder aquisitivo, em prejuízo a estados menos atrativos”, argumenta o grupo de governadores.

Os gestores ainda questionam a desproporcionalidade das novas regras sobre publicidade. A lei vigente proibiu a publicidade sobre o serviço de apostas em estado diferente do qual o serviço é prestado. 

Para eles, a medida violaria o princípio da livre concorrência, impedindo as loterias de explorarem potencial publicitário para atrair novos usuários. 

Assinam o texto os governadores de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos); de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo); do Acre, Gladson Cameli (PP); do Paraná, Ratinho Júnior (PSD); do Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB); do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL); e do Distrito Federal Ibaneis Rocha (MDB). 

A análise no Supremo está sob a relatoria do ministro Luiz Fux.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo