Covid-19: Brasil supera Reino Unido e se torna 2º país com mais mortes

País acumula mais de 41 mil mortes e 828 mil contaminados, segundo o Conass

Ativistas homenageiam vítimais fatais do coronavírus em praia no Rio de Janeiro. Foto: CARL DE SOUZA/AFP

Ativistas homenageiam vítimais fatais do coronavírus em praia no Rio de Janeiro. Foto: CARL DE SOUZA/AFP

Saúde

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) registrou novos 909 óbitos e 25.982 contaminações por coronavírus em 24 horas, segundo atualização desta sexta-feira 12. No total, o órgão contabiliza 41.828 mortes e 828.810 casos confirmados da doença.

Com a marca, o Brasil supera o Reino Unido e se torna o 2º país com mais mortes por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que identificou mais de 114 mil falecimentos. Os brasileiros também estão na vice-liderança no ranking de contaminações, atrás dos estadunidenses que já acumulam mais de 2 milhões de infectados.

O Conass passou a fazer a própria contagem após os dados do Ministério da Saúde perderem credibilidade, devido a pressões do presidente Jair Bolsonaro para maquiar os números da pandemia no Brasil.

De acordo com o Conselho, São Paulo é o estado com maior número de letalidade, com 10.368 mortes e 167.900 casos de coronavírus. Na quarta-feira 10, o governador João Doria (PSDB) determinou a prorrogação da quarentena até 28 de junho, mas a decisão de reabrir o comércio na capital provocou filas e aglomerações nas ruas.

No Rio de Janeiro, são 7.417 mortes e 77.784 casos de covid-19. Após Bolsonaro pedir invasão a leitos, um grupo chutou portas de um hospital na capital fluminense, no bairro Acari, após a morte de uma mulher de 56 anos.

Em seguida, o Ceará aparece como o 3º estado com o maior número de vítimais fatais. São 4.788 mortes e 75.705 diagnosticados.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem