CartaExpressa

Weintraub a Bolsonaro: Quem anda com bandido vira bandido ou é estraçalhado

Ex-ministro da Educação afirmou que presidente ‘não está totalmente isento de culpa’ ao se associar ao Centrão

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub. Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Educação e pré-candidato ao governo paulista Abraham Weintraub afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) é chantageado pelo Centrão. Isso porque, segundo o ex-ministro, a postura do Chefe do Executivo “mudou” durante seu governo. 

“Bolsonaro foi sequestrado e acho que está sendo chantageado por esse pessoal [Centrão] com ameaças de prisão, como eu fui. Como eu não fiquei com medo foram atrás dos meus filhos, podem ter ido atrás da família dele. E ele não está totalmente isento de culpa”, disse em uma transmissão nas redes sociais. 

Weintraub ainda fez um alerta ao presidente ao comentar os recentes escândalos no MEC. “Quem anda com bandido ou vira bandido ou vira estraçalhado”, declarou.

O pré-candidato ao governo paulista também disse que os problemas no Ministério da Educação não são de hoje e que já havia aconselhado Bolsonaro a não roubar. “Agora vê quanto enrosco tem lá”.

Apesar das críticas, Weintraub afirmou que apoiará a reeleição do ex-capitão. “Nunca disse que vou votar no Lula ou em outro candidato se não o presidente Bolsonaro, mas falo que agora é por falta de alternativa, ele virou um personagem”, afirmou. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo