CartaExpressa

Nomeação de Pimenta ‘nos dá uma voz a mais’, diz Eduardo Leite

Governador quer a ajuda de Pimenta para pleitear o perdão da dívida com a União

Foto: Maurício Tonetto/Secom
Apoie Siga-nos no

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), afirmou nesta segunda-feira 20 que a nomeação de Paulo Pimenta (PT) como ministro da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, dá ao estado “uma voz a mais” para pleitear o perdão da dívida com a União.

“Alguns falam que isso pode ser uma interferência do governo federal ao Rio Grande do Sul, eu vou preferir olhar por outro ângulo, que é o Rio Grande do Sul com um assento privilegiado para nos ajudar lá a resolver um problema como esse”, disse em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

O estado deve à União cerca de 100 bilhões de reais. Na última semana, o Congresso aprovou uma medida do governo Lula (PT) que suspende o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul com a União por três anos.

Com a medida, o RS deve deixar de pagar 11 bilhões de reais de imediato. O valor deve ser destinado unicamente a ações de reconstrução do estado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.