Política

Santos Cruz: A capacidade intelectual dos bolsonaristas é chamar alguém de comunista

‘Bolsonaro é a destruição da direita no Brasil’, afirmou o ex-ministro que agora faz campanha para o ex-juiz Moro

Foto: Carolina Antunes/PR
Foto: Carolina Antunes/PR

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz reforçou que fará campanha para Sergio Moro (Podemos) e criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL), de quem foi ministro. Em entrevista à revista Crusoé, o militar comparou os dois candidatos e rebateu as críticas que recebe dos aliados do ex-capitão.

“[Bolsonaro e Moro] São duas pessoas completamente diferentes. Um tem medo de responsabilidade enorme, não assume uma responsabilidade. O outro foi a única pessoa que enfrentou, julgou e submeteu sua decisão a tribunais superiores, pessoas influentes, ricas, poderosas, numa estrutura de Justiça no Brasil que realmente quem tem poder e dinheiro, consegue protelar”, afirmou em defesa do ex-juiz, que foi considerado parcial pelos tribunais superiores e teve as decisões anuladas no âmbito da Lava Jato.

Desde que deixou o governo, Santos Cruz passou a ser fritado por bolsonaristas. Recentemente, foi chamado de comunista, assim como Moro, por aliados do governo. Sobre isso, o general diz ser ‘inimaginável’ que ele e o ex-juiz sejam comunistas ou mesmo de esquerda.

“A capacidade intelectual máxima dos extremistas é chamar alguém de comunista. É a única coisa que eles sabem fazer. Quando não tem argumento nenhum, chama de comunista. É gente medíocre”, destacou.

“Nosso problema é de gente de baixo nível. Esse pessoal não é de direita. Estão destruindo a direita no Brasil. Bolsonaro é a destruição da direita no Brasil. Disseram que Moro é comunista, o que é algo inimaginável”, acrescentou.

Santos Cruz, agora filiado ao Podemos, disse ainda não saber se irá concorrer a um cargo eletivo em 2022. Mas se mostrou disposto a aceitar um projeto político no partido. Ainda na entrevista, teceu elogios ao vice-presidente Hamilton Mourão.

Sobre quem sairá vitorioso na corrida eleitoral no ano que vem, evidentemente, disse apostar em Moro, sem, no entanto, citar as pesquisas eleitorais que mostram o ex-juiz ainda bem distante de Lula (PT) e Bolsonaro.

“Entrei [no Podemos] porque acredito que o Sergio Moro vai ganhar. Se a gente trabalhar certo, se der o recado certo e se mostrar para a população que temos que parar com esses estelionatos eleitorais a cada eleição. Senão, não iria me expor”, disse o ex-bolsonarista.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!