Política

Relatório da transição detalha retrocessos sob o governo Bolsonaro; leia a íntegra

‘O Estado que Lula recebe é muito mais difícil e triste do que anteriormente’, resumiu o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin

Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) entregou ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta quinta-feira 22, o relatório final do Gabinete de Transição. São 100 páginas dedicadas a traçar um panorama sobre diversas áreas após quatro anos de Jair Bolsonaro (PL) no poder.

A transição enfrentou dificuldades para obter dados sobre determinadas áreas de estudo, como a Defesa e a Inteligência. “Alguns destes documentos contêm informações reservadas pela LAI [Lei de Acesso à Informação] e LGPD [Lei Geral de Proteção de Dados]”, diz um trecho do relatório.

“Tivemos retrocesso em muitas áreas. O governo federal andou para trás. O Estado que Lula recebe é muito mais difícil e triste do que anteriormente. Na educação, tivemos um enorme retrocesso”, disse Alckmin ao entregar o documento a Lula no Centro Cultural Banco do Brasil.

O vice eleito, novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, afirmou ainda que “houve um desmonte do Estado brasileiro” e que há mais de 14 mil obras paradas.

“Não é austeridade, é ineficiência de gestão”, emendou.

Leia a íntegra do relatório:

relatorio-final-da-transicao-de-governo

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo