PT vai à Justiça contra divulgação de vídeo pró-ditadura pelo governo

Partido cobrará ao Supremo Tribunal Federal e à PGR que responsabilizem o presidente por crime de improbidade administrativa

PT vai à Justiça contra divulgação de vídeo pró-ditadura pelo governo

Política

O vídeo divulgado pelo Palácio do Planalto em comemoração ao golpe de 1964 pode colocar Jair Bolsonaro em maus lençóis. Segundo os deputados Paulo Teixeira e Gleisi Hoffmann, do PT, o partido vai à Justiça cobrar que o presidente seja responsabilizado.

“Vamos representá-lo no Supremo Tribunal Federal e na PGR por crime de improbidade”, disse Teixeira a CartaCapital. Gleisi Hoffmann, presidenta do partido, disse que a ofensiva também acontecerá dentro da Câmara. “Ele já havia sido alertado que não poderia pedir a comemoração do dia 31 de março. Recuou um pouco nas declrações, mas publica esse vídeo lamentável.”

Nesta domingo 31, o canal oficial do governo no WhatsApp divulgou um vídeo apócrifo, em que um senhor já idoso tece loas ao golpe militar. “O Exército salvou o Brasil”, diz o ator, sem qualquer menções às torturas e prisões políticas perpetradas pelo regime. Ele diz ainda que o movimento que levou os militares a tomarem o poder teria partido da mídia e do “povo de verdade — pais, mães, Igreja”.

Os petistas querem que o presidente responda por improbidade administrativa —quando um agente público contraria os princípios básicos da administração pública. O artigo 4º da Constituição considera crime de responsabilidade atos do Presidente da República que atentem contra a Constituição e os. Esse tipo de infração é passível de impeachment.

Ambos participaram da Marcha do Silêncio, que anualmente presta homenagens aos mortos e desaparecidos da ditadura. A edição de São Paulo saiu por volta das 16h horas do Parque Ibirapuera.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Estagiária de Jornalismo de CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem