Política

Presidente da CPI do MST faz nova declaração machista e gordofóbica contra Sâmia Bomfim

A deputada do PSOL já havia apresentado um pedido de cassação por quebra de decoro do parlamentar

Deputados Zucco e Ricardo Salles em sessão da CPI do MST. Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputsdos
Apoie Siga-nos no

O presidente da CPI do MST, o deputado Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS), afirmou nesta quinta-feira 3 que a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) deveria “ficar mais calma” e perguntou se ela desejava um remédio ou um hambúrguer.

A declaração machista e gordofóbica aconteceu durante o depoimento de José Rainha, líder da Frente Nacional de Luta Campo e Cidades. Na ocasião, o militante social explicava uma gravação em que pedia votos para Sâmia na eleição de 2022.

“A senhora pode, também, daqui a pouco, tomar qualquer atitude, ficar mais calma. senhora respeite, a senhora está nervosa, senhora deputada? Quer um remédio? Ou quer um hambúrguer?”, perguntou Zucco.

Após a nova ofensiva do presidente da Comissão, Bomfim declarou que o episódio foi um exemplo de violência política de gênero. “É o nosso instrumento de defesa, mas também de ataque para aqueles que acham que vamos nos intimidar”, devolveu. Para justificar a declaração, Zucco afirmou que teria sido desrespeitado.

Durante a discussão, ao rebater a afirmação de Zucco, a deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ) foi interrompida pelo relator da CPI, Ricardo Salles (PL-SP), que disse que a deputada estava se vitimizando. Petrone pediu que o bolsonarista se calasse e reforçou que o episódio era inadmissível.

Este é o terceiro caso em que Zucco e Salles miram Sâmia Bomfim neste ano. Há menos de um mês, também em uma sessão da comissão, o deputado do Republicanos mandou a colega ficar “calada” e “respeitar os demais deputados”. 

Na sequência, Salles disse que Bom estaria se vitimizando e sugeriu uma representação conjunta contra ela. “Sempre que esta deputada quer se vitimizar, diz que é interrompida. Então, esse momento precisa ficar registrado.”

O PSOL, na ocasião, entrou com um pedido de cassação dos mandatos de Salles e Zucco por quebra de decoro parlamentar.

Em maio, Zucco cortou o microfone de Sâmia Bomfim durante uma sessão, enquanto ela se referia a uma investigação contra ele sobre os atos golpistas de 8 de Janeiro. Após aquele episódio, o Ministério Público Federal sustentou que houve violência política de gênero contra a parlamentar do PSOL.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo