Política

PF prende suspeitos de mandar matar Marielle Franco

Domingos Brazão, Chiquinho Brazão e Rivaldo Barbosa foram levados pela Polícia na manhã deste domingo; eles foram apontados como mandantes do crime na delação de Ronnie Lessa

Marielle Franco. Foto: Dayane Pires/CMRJ
Apoie Siga-nos no

Os três suspeitos de mandar matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em 2018, foram presos pela Polícia Federal na manhã deste domingo 24. São eles:

Os três foram alvos de mandados de prisão preventiva na Operação batizada de Murder Inc.. A operação foi deflagrada por ordem da Procuradoria-Geral da República (PGR), pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e pela Polícia Federal (PF).

Além das três prisões, foram expedidos outros 12 mandados de busca e apreensão, parte deles mira a sede da Polícia Civil do Rio e o TCE-RJ. O delegado Giniton Lages, primeiro a investigar o assassinato, seria um dos alvos da busca.

A ação deste domingo, além de prender os supostos mandantes, também apura, segundo a PF, os crimes de organização criminosa e obstrução de justiça.

O nome dos três presos neste domingo aparece na delação de Ronnie Lessa, ex-policial militar autor dos disparos. Ele, em ao menos dois depoimentos, revelou detalhes do caso. Teria apontado, por exemplo, a suposta motivação do crime. A suspeita é de que o assassinato esteja ligado ao modelo de expansão territorial da milícia.

Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial e irmã da vereadora, comentou a operação deste domingo nas redes sociais.

“Hoje é mais um grande passo para conseguirmos as respostas que tanto nos perguntamos nos últimos anos: quem mandou matar a Mari e por quê?”, escreveu.

Em seguida, Anielle agradeceu PF, governo federal, MPF e o ministro Alexandre de Moraes, relator do caso no STF e responsável por expedir as ordens de prisão.

Outro lado

O advogado de Domingos Brazão, Ubiratan Guedes, afirmou, na sede da Polícia Federal do Rio de Janeiro (PFRJ), que não procede a acusação de que seu cliente foi um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

Guedes afirmou que Domingos Brazão “não conhecia Marielle, não tinha nenhuma ligação com Marielle”. Segundo o advogado, agora, cabe à defesa provar a inocência de seu cliente.

A defesa de Chiquinho ainda não comentou.

Já Barbosa deve ter sua defesa comandada por advogados ligados à Adepol – associação de delegados da Polícia. Representantes da entidade estiveram na sede da PF, mas informaram não terem comentários até acesso ao provável cliente e à documentação da investigação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo