Política

Moraes prorroga inquérito que virou uma ‘dor de cabeça’ para Bolsonaro

Nos últimos anos, o ministro do STF autorizou diversas solicitações de extensão do prazo

Jair Bolsonaro e Alexandre de Moraes. Foto: Antonio Augusto/TSE
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes prorrogou nesta segunda-feira 10, por 180 dias, o inquérito das milícias digitais, a pedido da Polícia Federal. A corporação informou à Corte haver “diligências ainda pendentes” na investigação.

O inquérito, instaurado em 2021 e prorrogado 11 vezes desde então, mira “a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político (…), com a nítida finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito”.

Entre os principais desdobramentos estão investigações que atingem o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), a exemplo do esquema de desvio de joias do Estado, a falsificação de cartões de vacinação e trocas de mensagens de teor golpista.

A delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, também foi homologada no âmbito desse inquérito. No celular do militar, a Polícia Federal encontrou uma espécie de “passo a passo” para um golpe de Estado.

Também nesta segunda 10, a PF pediu a Moraes mais tempo para finalizar o inquéritos das fake news. Aberto em 2019, ele tinha o objetivo de investigar notícias fraudulentas, denunciações caluniosas e ameaças contra a Corte, seus ministros e familiares. Desde aquele ano, a apuração também se converteu em uma constante dor de cabeça para Bolsonaro e muitos de seus aliados.

Em agosto de 2021, Moraes incluiu formalmente o então presidente da República no inquérito – que, ao contrário daquele sobre as milícias digitais, tramita em sigilo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo