Política

PF intima Bolsonaro, Michelle, Wassef e Cid para depoimento simultâneo no caso das joias

Também estão na lista outros auxiliares do ex-presidente, além do general Mauro Lourena Cid

Bolsonaro e Michelle, que luta - sem sucesso - para reverter a rejeição do ex-capitão entre as mulheres. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal intimou Jair Bolsonaro e pessoas ligadas ao ex-presidente para depoimentos simultâneos, em 31 de agosto, sobre um suposto esquema de desvio de presentes oficais do Estado.

Foram convocados pela PF, além de Bolsonaro, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, o advogado Frederick Wassef e o ex-secretário Fábio Wajngarten. Também estão na lista auxiliares do ex-presidente, como Mauro Cid, Marcelo Câmara e Osmar Crivelatti, além do general Mauro Lourena Cid.

O objetivo das oitivas simultâneas é barrar uma eventual combinação de versões.

Os depoimentos foram agendados para o mesmo dia em que a Polícia Federal deve ouvir Bolsonaro na investigação sobre empresários que trocaram mensagens de cunho golpista via WhatsApp em 2022.

Nesta terça, o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, afirmou que as investigações sobre Bolsonaro estão “na direção correta” e “longe do fim”. Ele voltou a defender as apurações conduzidas pela Polícia Federal.

Durante evento em Brasília, Dino mencionou três casos em que o ex-presidente está implicado:

  • o desvio de presentes oficiais recebidos pelo Estado;
  • a incitação aos atos golpistas de 8 de Janeiro; e
  • a fraude em cartões de vacinação contra a Covid-19.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo