Política

Parlamentares gastam R$ 127 mil de verba pública para ir a eventos bolsonaristas na Europa

Eventos são do grupo Yes Brazil USA, que cuidou da agenda do ex-presidente em Orlando após eleição

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

*Por Laura Scofield

Em setembro e outubro deste ano, o grupo dos seminários e palestras Veritas Liberat, realizados com o apoio do grupo Yes Brazil USA em cidades europeias, estão sendo parcialmente pagos pelo contribuinte brasileiro.

Apuração da Agência Pública revela que deputados e senadores gastaram mais de R$ 127 mil reais de dinheiro público para ir a eventos bolsonaristas, onde a disseminação de desinformação é comum – em uma delas, o general Pazuello questionou a apuração dos votos nas eleições presidenciais. Segundo organizadores, os eventos servem para aproximar parlamentares brasileiros de congressistas conservadores de outros países.

O último seminário Veritas Liberat nos países europeus ocorrerá amanhã (14), em Madrid, capital espanhola. O evento terá entre seus convidados o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), a deputada federal Bia Kicis (PL-SP) e a deputada estadual de Santa Catarina, Ana Campagnolo (PL-SC). Este ano ainda ocorreram outros quatro seminários promovidos pelo Yes Brazil USA e pelo Institutum Veritas Liberat. Em setembro, os eventos foram realizados nas cidades italianas de Novara e Roma, e em Zurique, na Suíça. No último dia 10 de outubro houve ainda um evento em Lisboa.

Além deles, o Coronel Alberto Feitosa (PL-PE), da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe), também participou dos eventos.

Flávio Bolsonaro gastou mais de R$ 11 mil em passagens para a Espanha e R$ 9 mil em diárias no país. Ele viajou em 11 de outubro e volta ao Brasil no dia 16. O senador foi autorizado a viajar com dinheiro público pelo presidente da Casa, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), como determina o regimento do Senado para viagens em missão oficial.

O deputado federal e ex-ministro da Saúde de Bolsonaro, General Pazuello (PL-RJ) gastou mais de R$ 27 mil com passagens e diárias, pagas pela Câmara dos Deputados. Pazuello compareceu aos seminários nas cidades de Roma e Novara, na Itália, e Zurique, na Suíça, entre os dias 20 e 26 de setembro.

Em sua fala em Zurique, em 24 de setembro, Pazuello questionou a apuração dos votos feita pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e afirmou que “é importantíssimo o voto impresso”, rejeitado pela Câmara dos Deputados em 2021. “A Constituição é clara: o voto é secreto, mas a apuração é pública. Será que a apuração está sendo pública? Será que estamos cumprindo a Constituição no que prescreve a apuração pública dos votos? A contabilização e apuração pública?”, perguntou.

De acordo com o TSE, o resultado de cada urna é impresso e colado nas seções eleitorais. “Ele pode ser facilmente confrontado, por qualquer eleitor, com os dados divulgados pelo TSE na internet, após a conclusão da totalização”, explica o tribunal.

Participante de uma das edições do seminário Veritas Liberat.
Foto: Reprodução/Yes Brazil USA

Pazuello dividiu a mesa com os deputados estaduais Ana Campagnolo e Coronel Alberto Feitosa, que também pagaram suas idas com dinheiro público. Feitosa gastou R$ 14,8 mil em diárias entre 20 e 25 de setembro, quando compareceu aos congressos na Itália e Suíça.

Na cidade italiana de Novara, Feitosa reproduziu a fake news que afirmava que a sigla “CPX”, usada por Lula em um boné, era ligada a uma facção criminosa. Na verdade, o termo significa “complexo” e se refere a grupos de favelas, como o Complexo do Alemão – onde o presidente estava em campanha quando usou o boné.

No ano passado, a Pública mostrou que a campanha de Bolsonaro tentou ligar o atual presidente ao crime organizado usando desinformação como estratégia política.

Já Campagnolo viajou para a Suíça no dia 20 de setembro acompanhada de seu assessor, Douglas Pereira Lopes. Os dois gastaram mais de R$ 36 mil com diárias e passagens. No relatório de viagem, descreveram o seminário como um “evento oficial” onde haveria “reunião/visita com lideranças/entidades”. Voltaram ao Brasil em 26 de setembro, e no dia 5 do mês seguinte, a deputada foi novamente à Europa para comparecer aos seminários de Lisboa e Madrid. A segunda ida de Campagnolo custou ao todo mais de R$ 28 mil aos cofres do estado de Santa Catarina. No total, Campagnolo gastou R$ 65 mil para comparecer aos eventos.

A deputada, que se diz “antifeminista”, falou sobre feminismo e criticou o conceito de violência política de gênero. “Alguém lá na faculdade criou o termo de violência política de gênero, que basicamente consiste em discordar de uma mulher. Se discordou de uma mulher e ela é política, é violência política de gênero”, disse a deputada.

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Brasil registrou 112 denúncias de violência contra a mulher entre agosto de 2021, quando este tipo de violência se tornou crime, e dezembro de 2022.

O senador Jorge Seif também iria ao evento e havia comprado passagens e seguro-viagem com dinheiro do Senado no total de R$ 40 mil. Porém, ele cancelou a ida devido às enchentes em Santa Catarina, segundo sua assessoria de imprensa. Questionada se o dinheiro será devolvido, a assessoria afirmou: “acredito que sim”. A reportagem pediu que ela confirmasse a informação, mas não obteve resposta.

Além dos parlamentares já citados, a deputada Bia Kicis (PL-DF), e o deputado Gustavo Gayer (PL-GO) também constam como palestrantes dos congressos nas cidades europeias neste mês de outubro, mas, até o fechamento deste texto, não declararam gastos via cota parlamentar.

A reportagem entrou em contato com todos os parlamentares citados mas não obteve retornos.

Seminários buscam aproximar parlamentares brasileiros e europeus 

Os seminários conservadores na Europa foram promovidos pelo grupo Yes Brazil USA, comandando pelo casal Larissa e Mário Martins, e pelo “Institutum Veritas Liberat”. De acordo com a página do Yes Brazil USA no Instagram, eles são um “grupo de direita que reúne cristãos comprometidos com um Brasil livre da ideologia comunista”.

Como organizadores, o casal fez uma fala por vídeo na abertura do evento em Zurique. Mário afirmou que “as liberdades estão sendo tolhidas no Brasil” e pediu engajamento: “chegou a hora de nós que moramos no exterior levantarmos a nossa voz e denunciarmos todas as atrocidades que estão acontecendo no nosso país”.

Já Larissa lembrou que, nas últimas eleições presidenciais, o Yes Brazil USA e outros grupos aliados organizaram a inscrição de fiscais nas seções eleitorais do exterior. “Nós já começamos fazendo já bastante barulho, porque pela primeira vez nas eleições do Brasil houve fiscais e delegados em todo o exterior. Vocês estão de parabéns”, afirmou.

No ano passado, a Pública revelou que a disseminação de mentiras sobre o sistema eleitoral estava sendo usada para arregimentar fiscais de urna, e que os fiscais no exterior espalharam desinformação e defenderam atos golpistas.

Larissa Martins e Mário Martins, casal fundador do Yes Brasil USA em evento com Jair Bolsonaro.

O Yes Brazil USA existe formalmente desde agosto de 2021, quando foi registrado como uma organização sem fins lucrativos no estado da Flórida, porém, já promove eventos desde ao menos 2019. Mário é o diretor-executivo da instituição e Larissa é a diretora financeira.

A conta do grupo no Instagram tem 33,5 mil seguidores e publica conteúdo desinformativo com frequência, inclusive sobre a segurança do sistema eleitoral brasileiro. Ao tentar seguir o perfil, o Instagram avisa que “esta conta publicou repetidamente informações falsas que foram analisadas por verificadores de fatos independentes ou que eram contra nossas Diretrizes de Comunidade”. O perfil faz várias campanhas para arrecadar dinheiro, tanto para Bolsonaro quanto para as famílias dos golpistas presos pelo 8 de janeiro.

De acordo com seu site, o Institutum Veritas Liberat tem como objetivo “unir a direita brasileira e portuguesa e lutar pelos valores conservadores / judaico-cristãos e combater o socialismo nas Américas e Europa, inspirados pelo professor Olavo de Carvalho e Companhia de Jesus”.

O portal também afirma que eles organizaram manifestações em 7 de setembro de 2021 e 2022 e promoveram o Primeiro Congresso Conservador da Revista Direita BR Europa, em janeiro de 2022.

Banner de divulgação do seminário Veritas Liberat em Madrid.

O Seminário Veritas Liberat em Madrid conta ainda com outro organizador, o grupo Patriotas na Espanha, que também participou da mobilização para garantir fiscais do PL no exterior no ano passado. Em um vídeo publicado nas redes, uma das organizadoras, Eliza Andrade, diz que o evento existe para “unificar a direita conservadora e liberal mundialmente e tentar aproximar os nossos parlamentares brasileiros aos parlamentares aqui”.

Yes Brazil USA promoveu eventos com Bolsonaro em Orlando

Os criadores do Yes Brazil USA são próximos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). No início deste ano, quando ele estava em Orlando, após ter se negado a passar a faixa presidencial para o atual mandatário, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o grupo promoveu vários eventos com o ex-presidente e cuidou da agenda dele, segundo apurou a Agência Pública. Bolsonaro também fez participações nos seminários Veritas Liberat, só que virtualmente. No de Zurique, por exemplo, falou ao vivo por uma de chamada de vídeo.

O pastor Mark D. Boykin, da Church of All Nations (Igreja de Todas Nações, em português), explicou à Pública em julho deste ano que recebeu de um amigo a proposta de sediar um evento com o ex-presidente por meio do Yes Brazil USA. “Ei, você teria interesse em receber o presidente Bolsonaro na igreja?”, teria perguntado o amigo a Boykin. “E eu disse, ‘claro, quero dizer, o que está acontecendo?’ Ele disse: ‘temos uma conexão com um grupo aqui’”.

Jair Bolsonaro em evento na Igreja de Todas as Nações, em Boca Raton. Foto: Reprodução

O evento ocorreu no dia 11 de fevereiro na sede da igreja, que fica na cidade de Boca Raton. Os cartazes de divulgação trazem o logo do Yes Brazil USA e os ingressos esgotaram. Em sua fala, Jair Bolsonaro chamou os golpistas que destruíram os prédios públicos em 8 de janeiro de “presos políticos” que estariam “em campos de concentração no Brasil”.

“A grande maioria não tem culpa de nada”, afirmou o ex-presidente.

À reportagem, o pastor também reproduziu as mentiras contadas por Bolsonaro e seus apoiadores sobre as últimas eleições: “Não sou brasileiro, mas eles sentiam que a eleição foi fraudada. Eles sentiam que a Suprema Corte basicamente havia assumido os poderes executivos”, afirmou.

Em agosto deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tornou Bolsonaro inelegível por abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação quando ele promoveu uma reunião com embaixadores para afirmar que o sistema eletrônico poderia ser fraudado.

Pastor Mark D. Boykin na Igreja de Todas as Nações. Foto: Laura Scofield/Agência Pública

O presidente da Florida Christian University (Universidade Cristã da Flórida), Anthony Portigliatti, também contou à reportagem que Larissa Martins foi a responsável pela organização de eventos com Bolsonaro na universidade e em outro negócio da família, o Excellence Senior Living, uma casa de repouso de luxo para idosos em Orlando.

“Ela que foi a grande agitadora. Ela que agendou conosco. Ela que pediu… Ela conheceu o Bruno [Portigliatti, filho de Anthony] em Miami, e aí ela pediu para o Bruno, ‘por que você não agenda?’ E aí que a gente promoveu”, explicou em entrevista em julho.

De acordo com ele, o evento foi feito para possibilitar a empresários brasileiros na Flórida a chance de conversar com o ex-presidente sobre o futuro do Brasil. De acordo com Anthony, Bolsonaro falou sobre o agronegócio, a Amazônia e questionou: “Quais são os verdadeiros interesses de pessoas de fora [com a floresta]?”.

Anthony Portigliatti, presidente da Universidade Cristã da Flórida.
Foto: Laura Scofield/Agência Pública

Outro evento promovido pelo Yes Brazil USA e pelo grupo Clama Orlando ocorreu em um restaurante na cidade. Procurados, os organizadores não quiseram dar detalhes sobre o dia.

A reportagem tem tentado contato com os responsáveis pela Yes Brazil USA desde ao menos junho deste ano, mas sem retorno.

Em julho, a Pública visitou dois endereços ligados ao casal Larissa e Mário na Flórida em busca de uma entrevista, mas os dois estavam vazios. Funcionários da portaria do prédio onde a empresa “YES BRAZIL USA, INC” está registrada disseram não conhecer o casal.

O Institutum Veritas Liberat também não respondeu às tentativas de contato.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo