‘Pai da urna eletrônica’, Giuseppe Janino sai de cargo de chefia no TSE

Janino saiu 'a pedido' do comando da Secretaria de Tecnologia da Informação, segundo o TSE, e será substituído por Júlio Valente

O matemático Giuseppe Janino, 'pai da urna eletrônica'. Foto: Tribunal Superior Eleitoral

O matemático Giuseppe Janino, 'pai da urna eletrônica'. Foto: Tribunal Superior Eleitoral

Política

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luís Roberto Barroso, removeu Giuseppe Dutra Janino da chefia da Secretaria de Tecnologia da Informação do órgão, em decisão anunciada nesta terça-feira 11.

 

 

Chamado de “pai da urna eletrônica”, por ter feito parte da equipe que criou o equipamento há 22 anos, Janino vem acusando falta de provas sobre fraude eleitoral no Brasil e defende a confiabilidade no sistema de votação.

De acordo com o TSE, o matemático sai do cargo “a pedido”, após 25 anos de serviços prestados à Justiça Eleitoral, sendo 15 anos no comando da Secretaria. Janino permanecerá no TSE até junho e deve lançar um livro sobre sua história no setor em julho.

Sua saída foi acordada com os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes, que substituirão Barroso na presidência do TSE em 2022. No lugar de Janino, entra Júlio Valente, que integra a Justiça Eleitoral há 25 anos, 13 deles na mesma Secretaria.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem