Política

Padilha pede cautela diante de cobranças pelo afastamento do ministro das Comunicações

‘Já vi muita gente ser afastada por pré-julgamentos injustos, inclusive companheiros do PT’, argumentou o chefe das Relações Institucionais

O ministro das Comunicações, Juscelino Filho. Foto: José Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, pediu cautela nesta sexta-feira 3 sobre um possível afastamento do ministro das Comunicações, Juscelino Filho. Segundo ele, todos os integrantes do governo “têm direito à presunção de inocência”.

“O que se espera de todos eles é que tenha espaço para sua defesa”, disse Padilha ao jornal O Globo. “E tenho certeza de que o farão, sem pré-julgamentos. Já vi muita gente ser afastada por pré-julgamentos injustos, inclusive companheiros do PT.”

A presidenta nacional do partido, Gleisi Hoffmann, defendeu por sua vez que Juscelino se afaste do cargo para tentar se justificar diante das acusações de que é alvo. Para a petista, a medida evitaria um “constrangimento” ao governo.

O ministro entrou na mira do governo após acusação sobre possível uso irregular de avião da Força Aérea Brasileira e de recursos públicos para pagamento de diárias entre 26 e 30 de janeiro.

“Acho que o ministro devia pedir um afastamento para poder explicar, justificar, se for justificável o que ele fez. Isso impede o constrangimento de parte a parte”, afirmou Gleisi em entrevista ao Metrópoles.

Ante a repercussão do caso, o político do União Brasil disse ter devolvido o dinheiro de diárias recebidas para cobrir despesas de uma viagem a São Paulo que, segundo revelou o jornal O Estado de S.Paulo, teve na agenda uma série de atividades particulares.

O presidente Lula, em entrevista à BandNews FM na quinta-feira 2, afirmou ter convocado o ministro para uma conversa na próxima segunda e indicou a possibilidade de exonerá-lo. “Se ele não conseguir provar sua inocência, não pode ficar no governo. Eu garanto a todo mundo a presunção de inocência”, disse o petista.

Em outra frente, deputados do PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro, apresentaram um requerimento para convocar Juscelino a se explicar sobre as acusações e pediram a abertura de uma investigação pela Procuradoria-Geral da República.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo