Política

‘O decreto é constitucional e será cumprido’, diz Bolsonaro sobre perdão a Daniel Silveira

Segundo o ex-capitão, medida adotada em prol do deputado condenado pelo STF beneficia ‘um inocente’

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a defender o perdão concedido por ele ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), que foi condenado a prisão pelo Supremo Tribunal Federal na última quarta-feira 20. O ex-capitão disse que, ao contrário do que aponta parte dos especialistas, sua ação seria constitucional. As declarações foram dadas em Ribeirão Preto (SP) durante um evento voltado ao agronegócio nesta segunda-feira 25.

“Como há alguma especulação por aí, não vou entrar em detalhes, mas o decreto da graça e do indulto é constitucional e será cumprido”, afirmou. “No passado, soltavam bandidos e ninguém falava nada, hoje eu solto inocentes”, vociferou em seguida.

Silveira voltou ainda a ser citado no discurso quando Bolsonaro recomendou que seus eleitores votem apenas em deputados que foram favoráveis ao voto impresso, contra a prisão de Silveira e que defenderam a derrubada do PL das fake news.

Mais adiante, em meio a ataques às ações do Supremo, o presidente ameaçou novamente não cumprir uma decisão da Corte. Desta vez, o ex-capitão disse que essa poderia ser uma das únicas alternativas caso os ministros aprovem o novo marco temporal.

“Dentro do Supremo Tribunal Federal tem uma ação que está sendo levada avante pelo ministro Fachin que é um novo marco temporal. Se ele conseguir vitória nisso me restam duas coisas: entregar a chave para o Supremo ou falar que não vou cumprir. Eu não tenho alternativa”, disse em meio aos aplausos da plateia.

“Se tivesse alguém a preocupação com corrupção como tem com fake news, ajudaria muito o Brasil”, disse ainda em referência indireta aos ministros do Supremo.

Bolsonaro aproveitou os ataques ao STF para ironizar a chamada terceira via na campanha eleitoral. Segundo defendeu, os ministros do tribunal poderiam ser os candidatos tão buscados por alguns setores.

“Se quiserem disputar a Presidência está aberto, tem vagas em vários partidos, estão oferecendo vagas. Quem sabe essa pessoa seja a terceira via e vai negociar na base paz e amor com o mundo todo os nossos problemas”, discursou.

Em outro trecho, Bolsonaro repetiu declarações de que só sairá do poder se ‘Deus o tirar’ e admitiu que não é o melhor presidente que o País já teve. Em seguida, no entanto, defendeu seu papel no Planalto.

“Posso não ser o melhor presidente do Brasil, não tem problema, mas sou aquele que realmente levamos ao pé da letra a missão que me deram de conduzir o destino do Brasil da melhor forma possível”, disse ao alegar que um exemplo do seu bom desempenho seria a escolha dos ministros de ‘forma técnica’ e sem ‘interferências políticas’. Na prática, no entanto, boa parte do governo é ocupado pelo Centrão.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.