Política

“Não dá pra ir além do que estamos fazendo”, diz Bolsonaro sobre coronavírus

O presidente voltou a afirmar que MP sobre a suspensão de contratos e salários por até quatro meses é uma forma de preservar empregos

Presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira 23, na portaria do Palácio da Alvorada, que sua equipe ministerial está trabalhando há semanas para minimar os efeitos do coronavírus no País. “Estamos fazendo o possível, não dá pra ir além do que estamos fazendo, todos os ministérios têm trabalhado incessantemente”, afirmou.

Ainda de acordo com o presidente, os empregos estão sendo exterminados e não é hora de levar pânico à população. “Empregos estão sendo exterminados, em especial aqueles que vivem da informalidade. Essas pessoas não têm como sobreviver mais que três, quatro dias sem seu sustento.”

Bolsonaro foi questionado sobre a MP que editou permitindo que contratos de emprego e salários sejam suspensos por até quatro meses durante o período de calamidade pública causada pelo coronavírus e afirmou que a medida é uma forma de preservar empregos.

“Flexibiliza ainda mais a CLT, é uma maneira de preservar empregos, diminui o tempo do aviso prévio, permite que se entre em férias agora, que é melhor que ser demitido, basicamente é por aí essa medida (…) Ninguém está demitindo ninguém”, respondeu.

Ele também voltou a criticar medidas adotadas por governadores, como o fechamento de fronteiras interestaduais, afirmando que remédio em excesso é que leva ao desemprego. Ele afirmou que se reunirá hoje, por videoconferência, com governadores das regiões Norte e Nordeste e acrescentou que deverá se reunir com governadores das demais regiões amanhã.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.