Economia

Lupi assume a Previdência Social, exalta Lula e anuncia mutirão para zerar fila ’em tempo recorde’

O novo ministro declarou que seguridade e assistência social não são entraves, mas instrumentos para o desenvolvimento

O ministro da Previdência Social, Carlos Lupi. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente do PDT, Carlos Lupi, assumiu nesta terça-feira 3 o Ministério da Previdência Social no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A cerimônia ocorreu na sede da pasta, em Brasília.

Em seu discurso, Lupi exaltou Lula, a quem classificou como “espécie rara na política mundial”. Ele afirmou que o petista e o ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela são os únicos a “sair das profundezas da injustiça e chegar de volta ao poder pelo voto popular”.

O pedetista declarou que seguridade e assistência social não são entraves, mas instrumentos para o desenvolvimento. Disse ainda que o País deve tratar com respeito, dignidade e carinho os cerca de 37,5 milhões de beneficiários da Previdência Social.

Uma das prioridades, afirmou o novo ministro, será formar um mutirão para acabar com a fila da Previdência. O caminho, segundo Carlos Lupi, passa por informatização, melhorias na automação e prestígio aos funcionários do INSS.

“Peço a cada governador e a cada prefeito que nos ajude na parte administrativa. Quero acabar com essa fila em tempo recorde”, disse na solenidade.

Ele também defendeu a formação de uma comissão para discutir a Reforma da Previdência aprovada no início do governo de Jair Bolsonaro (PL), classificada na cerimônia como “antirreforma”. O grupo será composto por representantes dos sindicatos patronais, dos sindicatos dos empregados, dos sindicatos dos aposentados e do governo.

“Queremos que toda arrecadação destinada constitucionalmente à Previdência esteja no balanço na Previdência, porque não é favor nenhum”, acrescentou.

Lupi ainda se comprometeu com a criação de um portal de transparência, a fim de publicar a cada mês um balanço de aposentados, pensionistas e beneficiários do BPC, o Benefício de Prestação Continuada. “Precisamos ter transparência, e quero transparência inclusive dos recursos”, explicou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo