Política

Lula diz que pretende entrar com recurso para aumentar indenização de Deltan

Ex-presidente ironizou vaquinha feita pelo procurador, que teria superado valor estipulado pela Justiça: ‘Se pode arrecadar, pode pagar mais’

Foto: Victor Ohana
Foto: Victor Ohana
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta sexta-feira 25 que pode entrar com um recurso para reivindicar um aumento da indenização no caso da apresentação do Power Point pelo procurador Deltan Dallagnol, no âmbito da Operação Lava Jato.

A declaração ocorreu durante evento do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, em Santo André, no estado de São Paulo. Segundo Lula, o pedido inicial foi de 1 milhão de reais em indenização, e o Superior Tribunal de Justiça concedeu somente 75 mil.

O petista argumentou que, como Dallagnol anunciou que superou o valor a partir de uma arrecadação com apoiadores, sua defesa poderia entrar com um recurso para revisar a quantia.

“Antes de ontem, teve uma notícia que me deixou feliz. Eu tinha aberto um processo contra o procurador Deltan Dallagnol, pelas mentiras que ele contou no PowerPoint. Antes de ontem, ele foi condenado”, disse. “A gente estava reivindicando 1 milhão. A Justiça só deu 75 mil, que com a correção deve dar uns 130 mil. Ele disse que não podia pagar, arrecadou mais. Então agora talvez a gente entre com recurso para a gente cobrar mais, porque se ele pode arrecadar, ele pode pagar mais.”

Na sequência, Lula disse que Dallagnol não estaria “acostumado a lidar com gente decente” e com “político sério”.

No mesmo discurso, Lula também voltou a citar o pré-candidato Sérgio Moro (Podemos) em referência ao caso da prisão de 13 agricultores no Sul, em 2013, considerada como indevida e ordenada pelo então juiz.

Lula aproveitou para criticar novamente os planos de privatização das empresas Eletrobras, Correios, Caixa Econômica e Banco do Brasil, e também defendeu o fim da política da Petrobras que equipara o preço interno do petróleo às variações do mercado internacional.

Ao lado do candidato a governador Fernando Haddad (PT), Lula também lançou o nome de Guilherme Boulos (PSOL) para a Prefeitura de São Paulo em 2024. Neste ano, Boulos vai disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados.

O ex-presidente visitou os condomínios Novo Pinheiro e Santos Dias, fundados em 2019 com recursos do programa Minha Casa Minha Vida Entidades, com 910 famílias beneficiadas. A área havia era ocupada pelos moradores desde 2012.

O condomínio Novo Pinheirinho homenageia o assentamento Pinheirinho, em São José dos Campos, que em 2012 foi desocupado por uma violenta operação policial durante o governo de Geraldo Alckmin, antes do PSDB, hoje no PSB para compor uma chapa com Lula na eleição deste ano.

Victor Ohana

Victor Ohana
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.