CartaExpressa

Moro ataca STJ e reclama da condenação de Deltan: ‘Querem transformar o certo em errado’

Da Alemanha, o ex-juiz gravou um vídeo para disparar contra a Corte; Deltan terá de indenizar Lula em 75 mil reais no caso do PowerPoint

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) divulgou nesta quarta-feira 23 um vídeo em que ataca o Superior Tribunal de Justiça por condenar o ex-procurador Deltan Dallagnol a indenizar Lula por danos morais no caso do PowerPoint. A decisão foi tomada pela Quarta Turma da Corte na tarde da terça-feira 21 e fixou o valor a ser pago em 75 mil reais.

Na publicação, Moro classificou a condenação como ‘um absurdo’ e acusou o STJ de promover uma inversão de valores.

“Estou na Alemanha, acompanhando a situação no Brasil, e a gente tem visto fatos assustadores. O País está doente”, iniciou o vídeo, em tom indignado. “Agora, o procurador que se sacrificou e se dedicou para combater aquela roubalheira e colocar os criminosos na cadeia está sendo condenado a pagar danos morais. Isso é absurdo, é o País virado do avesso. Isso é querer transformar o certo em errado e o errado em certo.”

Antes de finalizar, o ex-juiz, que teve decisões na Lava Jato anuladas por ser considerado suspeito, disse ainda que ‘não irá permitir que o Brasil vire uma terra sem lei ou um País de corruptos’.

Ainda na terça-feira, Deltan também atacou o STJ. Ele alegou ser vítima de uma ‘represália’ por parte da Corte. Especialistas que acompanharam o caso classificaram a decisão do STJ como ‘tímida’.

“[A decisão do STJ é] importantíssima, mas ainda muito tímida perto do número enorme de crimes que ele [Deltan] cometeu e dos prejuízos que provocou para o ex-presidente Lula, para a família dele, para o PT e para os cidadãos de um modo geral, que foram privados de escolher livremente nas últimas eleições aquele que consideravam o melhor candidato para enfrentar os desafios do País”, avaliou o advogado Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Grupo Prerrogativas.

Em seu voto, o ministro Luís Felipe Salomão, relator do caso no STJ, disse que Deltan ultrapassou o ‘tom informativo’.

“Se na peça de acusação não foram incluídas adjetivações atécnicas, evidente que a sua anunciação também deveria resguardar-se daquelas qualificadoras, que enviesam a notícia e a afastam da impessoalidade necessária, retirando o tom informativo, que é decorrência do princípio da publicidade, e a colocam indesejavelmente como narrativa do narrador”, criticou o ministro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.