Política

Lula demite general aliado de Heleno da secretaria-executiva do GSI

O militar Carlos José Russo Assumpção Penteado ocupava o 2º cargo mais alto na pasta e será substituído por Ricardo José Nigri

General Augusto Heleno (Foto: Carolina Antunes/PR)
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) demitiu, nesta terça-feira 24, o secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Carlos José Russo Assumpção Penteado. O militar ocupava o segundo cargo mais alto na pasta e era um aliado de primeira ordem do ex-ministro bolsonarista Augusto Heleno.

Para o lugar do general Penteado, o novo governo escolheu Ricardo José Nigri. A troca, conforme antecipou CartaCapital na última terça-feira, é uma recomendação do Exército e não uma escolha propriamente dita da gestão petista. Nigri já foi oficial de gabinete de Eduardo Villas-Bôas quando este comandou o Exército. Atualmente, ele era chefe de Missões de Paz e Aviação e inspetor-geral das Polícias Militares. Penteado funcionará como adido ao gabinete do comandante do Exército.

A troca, vale ainda lembrar, ocorre após o episódio de desconfiança do novo presidente com militares por ocasião dos atos terroristas do dia 8 de janeiro em Brasília. No sábado, Lula optou por demitir Júlio César de Arruda do comando do Exército após desgaste nas relações causado pela baixa determinação do general em investigar supostos envolvimento de militares no episódio golpista de janeiro, além dos integrantes que teriam sido lenientes com o acampamento em frente ao quartel.

Além de Penteado, o novo governo também movimentou outros dois cargos de comando do GSI. Neste caso, porém, houve apenas uma inversão. O general Marcius Cardoso Netto, que era Assessor de Planejamento e Gestão do Departamento-Geral do Pessoal, será o novo Secretário de Segurança e Coordenação Presidencial do GSI. O general Carlos Feitosa Rodrigues fez o caminho contrário.

Todas as mudanças estão em uma edição extra do Diário Oficial da União e foram assinadas por Geraldo Alckmin, presidente em exercício, e pelo ministro da Defesa José Múcio Monteiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo