Economia

Lula alfineta Campos Neto após manutenção da taxa Selic: ‘Pode falar de tudo, só não pode falar de juros’

Mesmo diante da pressão do governo, o Banco Central manteve a taxa básica de juros em 13,75%

Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar o Banco Central e o presidente da entidade, Roberto Campos Neto, após o Copom manter a taxa básica de juros em 13,75%, pela sexta vez seguida. 

“É engraçado, é muito engraçado o que se pensa neste país. Todo mundo aqui pode falar de tudo, só não pode falar de juros. Todo mundo tem que ter cuidado”, disse. “Ninguém fala de juros, como se um homem sozinho pudesse saber mais do que a cabeça de 215 milhões de pessoas.”

A declaração foi feita na primeira reunião do novo Conselho de Desenvolvimento Econômico Social Sustentável, o ‘Conselhão’, que empossou 240 membros – entre empresários, banqueiros, lideranças indígenas, de movimentos sociais, entre outros – nesta quinta-feira 4. 

“Não adianta comprar uma coisa de juros zero e não poder pagar a prestação. Eu não estou dizendo isso, Roberto Campos [Neto, presidente do Banco Central], porque concordo com você não”, disse. 

“Todo mundo sabe que esse Conselho pode até discutir taxa de juros, se quiser”, disse Lula.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo