Economia

Após manutenção da Selic em 13,75%, cúpula do PT cobra ‘demissão urgente’ de Campos Neto

Mandato do presidente do Banco Central vai até 2024; uma ‘saída antecipada’ dependeria do Senado Federal

Campos Neto, o líder da oposição no BC - Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Apoie Siga-nos no

Poucas horas após a oficialização do anúncio da decisão do Copom de manter a taxa básica de juros em 13,75%, a cúpula do PT, partido do presidente Lula, saiu a campo para cobrar a ‘demissão urgente’ de Roberto Campos Neto do comando do Banco Central. O executivo tem mandato até 2024 e uma ‘saída antecipada’ dependeria do Senado Federal.

“De onde menos se espera, é que não sai nada mesmo! Como previsto, o Banco Central manteve a taxa de juros em 13,75%. Por pura teimosia, Roberto Campos Neto engessa nossa economia, prejudicando trabalhadores e empresários. O Brasil precisa urgente de um novo presidente no BC!”, escreveu Jilmar Tatto, deputado federal por São Paulo e secretário de comunicação do PT, na noite desta quarta-feira 3.

Crítica semelhante fez Gleisi Hoffmann, presidenta nacional da legenda. A deputada federal classificou a decisão do Copom como ‘negacionismo econômico’:

“Quanto já custou ao país o negacionismo econômico de Campos Neto? Quantos empregos, empresas falidas, famílias destruídas?”, questionou Gleisi. “A vacina [para crise] sempre esteve ao alcance do Copom, mas insistem nos juros genocidas. Até quando ficarão impunes?”, insistiu.

Nas redes sociais, o deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) também prometeu ‘fechar o cerco’ contra o executivo do BC. Na publicação, ele rebateu a posição do Comitê de Política Monetária que alegou ser necessário ‘paciência’ para ver baixar a taxa de juros.

“Como o povo vai ter paciência com fome, dívidas e falindo? A decisão do bolsonarista Campos Neto só tem dois objetivos: enriquecer a elite e sabotar o governo Lula”, disse. “Não vamos aceitar!”.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Luiz Marinho, integrante do PT e atual ministro do Trabalho, foi outro a cobrar ações contra Campos Neto. Ao diário, pediu que o Senado convoque o presidente do BC e avalie sua demissão antecipada.

“Quem tem mandato pode perder. O Senado tem que assumir a responsabilidade e pode muito bem convocá-lo”, defendeu Marinho. “Não é possível que o presidente do Banco Central não tenha nenhum órgão de controle ao qual obedeça. O Copom é um ser invisível? Não tem de dar satisfação para ninguém?”, alegou em seguida.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo