CartaExpressa

Lira dá sobrevida à CPI do MST e prorroga trabalhos por uma semana

Antes do aval, os deputados teriam de finalizar os trabalhos nesta quinta, sem ter votado o relatório

Lula Marques/ Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), decidiu prorrogar em uma semana os trabalhos na CPI que investiga o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Com isso, as atividades do colegiado devem terminar em 21 de setembro.

Inicialmente, os deputados teriam de finalizar os trabalhos amanhã, sem ter votado o relatório. O acordo foi costurado nesta quarta-feira 13, durante uma reunião entre a cúpula da CPI e Lira.

“Agora, é aproveitar esse tempo extra da melhor forma possível e entregar um relatório técnico e bastante fundamentado”, afirmou o presidente da comissão, Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS), após o encontro.

Integrantes da CPI chegaram a demonstrar o interesse de prorrogar os trabalhos por 60 dias. O avanço das negociações entre o Centrão e o governo Lula (PT), contudo, frustou os planos dos bolsonaristas.

Com a sobrevida, os deputados tentarão articular a aprovação do relatório produzido por Ricardo Salles (PL-SP). Conforme antecipou CartaCapital, o documento deve pedir o indiciamento do deputado petista Valmir Assunção (PT-BA) – outros dois assessores do parlamentar também podem ser alvo da comissão.

Na semana passada, a cúpula da CPI decidiu encerrar os trabalhos após a decisão do ministro Luís Roberto Barroso de cancelar o depoimento de servidores do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo