Política

Justiça suspende nomeação de cunhada de ex-secretário de Bolsonaro para Casa Rui Barbosa

Liminar afasta Fabiane Monteiro imediatamente do cargo e suspende também o seu pagamento; para o MPF, ela não tem os atributos necessários para o posto

Jorge Seif e Bolsonaro durante live. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Justiça Federal suspendeu, nesta terça-feira, a nomeação de Fabiane dos Santos Monteiro para o cargo de chefe da Divisão de Difusão Cultural da Fundação Casa de Rui Barbosa. Com apenas o ensino médio, Fabiane foi indicada ao cargo por Gilson Machado Neto, ministro do Turismo do governo Bolsonaro, em janeiro. Ela também é cunhada do ex-secretário da Pesca, Jorge Seif (PL), que atualmente disputa o Senado por Santa Catarina.

A liminar afasta Fabiane imediatamente do cargo e suspende também o seu pagamento. A União, a Fundação Casa Rui Barbosa e Fabiane Monteiro têm um prazo de 15 dias para apresentarem contestação.

A irmã de Fabiane, Catiane, que é casada com Jorge Seif, já havia sido indicada para o cargo de gerente de integridade e integração da Embratur.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Fabiane Monteiro não tinha os atributos necessários para o cargo. Antes de ajuizar a ação, o MPF diz ter enviado um ofício ao Ministério questionando-o sobre a nomeação da mulher. A pasta informou, na época, que a considerava capacitada para o posto.

Nomeada no dia 12 de janeiro para o posto, Fabiane Monteiro não tem ensino superior e sua experiência profissional limita-se à função de assessora de clientes em loja de varejo, auxiliar judiciário e coordenadora de telemarketing, conforme apontado pelo MPF.

“Não pode o agente político, não sem transgredir a ordem jurídica posta, sob evocação generalista pautada em critérios de conveniência e oportunidade, utilizar-se de seu poder discricionário para divorciar-se da persecução do interesse público”, apontou a juíza Federal Itália Maria Zimardi Areas Poppe Bertozzi, ao conferir a liminar.

A defesa de Fabiane Monteiro foi procurada, mas não se manifestou. O espaço segue aberto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo