Política

Ministério da Saúde muda classificação sobre gênero em procedimentos médicos para acolher pessoas trans

A alteração permite que pessoas ‘de ambos os sexos’ tenham acesso aos serviços

Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde alterou a classificação de gênero de 269 procedimentos oferecidos pelo Sistema Único de Saúde e  passou a adotar a terminologia “para ambos os sexos”.

A medida visa permitir que exames e cirurgias vaginais e penianos sejam feitos por pessoas de sexo feminino ou masculino, sem distinção, facilitando o acesso de pessoas transgênero aos serviços. 

Entre os exames que aparecem na lista estão aqueles relacionados ao acompanhamento de gravidez ou ao tratamento de câncer, como quimioterapia de tumor de testículo e radioterapia de câncer ginecológico. 

As mudanças constam de uma portaria publicada no Diário Oficial da União de 14 de maio.

A alteração atende a uma liminar do Supremo Tribunal Federal no âmbito de uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental. A Corte determinou que o Ministério da Saúde adotasse medidas para atualização dos sistemas de informação. 

A ADPF foi protocolada pelo PT em 2021, durante o governo de Jair Bolsonaro (PL). Segundo os autores do pedido, a gestão do ex-capitão violava a saúde primária de pessoas transexuais e travestis e travava o acesso a procedimentos.

Leia a íntegra da nova portaria do Ministério da Saúde e a lista dos procedimentos:

Portaria

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo