Política

Jet ski e parque de diversão: férias de sete dias de Bolsonaro no fim do ano custaram R$ 900 mil

Presidente descansou em Santa Catarina entre os dias 27 de dezembro e 4 de janeiro, em meio às enchentes na Bahia

Além de se exibir com um jet ski da Marinha no litoral catarinense, o ex-capitão acelerou um carro de corrida em parque temático e dançou ao som de MC Reaça
Além de se exibir com um jet ski da Marinha no litoral catarinense, o ex-capitão acelerou um carro de corrida em parque temático e dançou ao som de MC Reaça
Apoie Siga-nos no

As férias de fim de ano do presidente Jair Bolsonaro custaram quase R$ 900 mil aos cofres públicos. Bolsonaro passou sete dias em São Francisco do Sul (SC), período no qual andou de jet ski e visitou um parque de diversões, entre outras atividades. O presidente foi criticado por manter o passeio enquanto a Bahia foi atingida por fortes chuvas, que deixaram 25 mortos.

De acordo com a Secretaria-Geral, a viagem custou R$ 899.374,60. A informação foi apresentada atendendo a pedido feito via Lei de Acesso à Informação (LAI). O ministério não detalhou os gastos, e disse que “o valor está sujeito à alteração, caso ocorram atualizações”.

Bolsonaro chegou em São Francisco do Sul na tarde do dia 27 de dezembro. A previsão inicial era que o presidente só retornasse a Brasília no dia 4 de janeiro, mas ele foi para São Paulo na madrugada do 3 para ser internado, devido a uma obstrução intestinal.

Nesse período, Bolsonaro passeou de jet ski diversas vezes, visitou o parque Beto Carrero World, apostou na Mega-Sena e cortou o cabelo.

No dia 5, após receber alta do hospital, o presidente afirmou que era “maldoso” dizer que ele estava de férias:

— (Sou) um presidente que não tem férias. É maldoso quem fala que estou de férias. Eu dou minhas fugidas de jet ski, dou uns cavalos de pau com carro no Beto Carrero.

Um dia depois, no entanto, ele próprio admitiu que eram férias:

— Me programei para nove dias de férias, na verdade foram meia dúzia. Nove foram no hospital — disse o presidente, em entrevista à entrevista à Rádio Nova.

Como o GLOBO mostrou em janeiro, Bolsonaro gastou até o fim do ano passado R$ 29,6 milhões com cartões corporativos. O montante desembolsado é 18,8% maior do que os R$ 24,9 milhões consumidos ao longo dos quatro anos do mandato presidencial anterior, dividido por Dilma Rousseff (2015-2016) e Michel Temer (2016-2018). O presidente costuma justificar os gastos dos cartões com suas viagens.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.