CartaExpressa

Camarão não mastigado provocou obstrução em Bolsonaro, diz médico

‘A gente pede pra que todos fazerem o que a gente faz: mastigar 15 vezes cada garfada’, afirmou Antonio Luiz Macedo

Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O médico Antonio Luiz Macedo, que acompanha Jair Bolsonaro desde a facada sofrida em 2018, disse nesta quarta-feira 5 que a obstrução intestinal que levou o presidente à internação na última segunda 3 foi provocada por um camarão não mastigado corretamente.

“Eu não almoço, eu engulo. A peixada tinha uns camarõezinhos também, comi e mastiguei o peixe e comi o camarão”, disse Bolsonaro após receber alta do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo.

“O camarão não foi mastigado, é o que ele está explicando. A gente pede pra que todos fazerem o que a gente faz: mastigar 15 vezes cada garfada”, emendou Macedo.

Agora, segundo o médico, o ex-capitão terá de manter uma dieta especial e fazer caminhadas nas próximas semanas.

“O presidente está com a saúde muito boa, se recuperando rapidamente. Quando cheguei [ao hospital], o intestino estava começando a funcionar e no dia seguinte já estava funcionando”, acrescentou Macedo.

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.