Política

Jair Renan será alocado para escritório de senador bolsonarista em Balneário Camboriú

Remuneração líquida do cargo de Auxiliar Pleno é de mais de 7 mil reais mensais

Jair Renan, o filho '04' de Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Após ter sido nomeado para o cargo de Auxiliar Pleno no gabinete do senador Jorge Seif (PL-SC), Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), foi alocado no escritório do parlamentar na cidade de Balneário Camboriú (SC). A informação foi publicada nesta sexta-feira 17 pelo jornal O Globo.

Com uma remuneração líquida de 7,6 mil reais mensais, além de auxílio-alimentação, Jair Renan dará expediente na cidade litorânea que fica a mais de 1.600km de Brasília (DF).

Enquanto o pai ocupava a Presidência da República, Jair Renan foi investigado por possíveis crimes de tráfico de influência e lavagem de dinheiro. A suspeita é de que empresários bancaram uma reforma em seu escritório.  Em agosto do ano passado, a Polícia Federal arquivou o caso, sob a alegação de não ter encontrado indícios de crime.

Seif, por sua vez, foi secretário da Pesca do governo Bolsonaro. Um dia após o resultado das eleições do ano passado, a esposa de Seif, Catiane dos Santos Monteiro Seif, foi nomeada para a Comissão de Ética e Conduta da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, a Embratur. Após assumir o órgão, Marcelo Freixo (PT-RJ) suspendeu uma indenização milionária que seria paga pela demissão dos participantes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo