Itamaraty pediu visto de Weintraub aos EUA com passaporte diplomático

Investigado em inquéritos, ex-ministro da Educação foi para o país norte-americano após ser demitido pelo governo Bolsonaro

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, durante reunião com o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/PR

O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub, durante reunião com o presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcos Corrêa/PR

Política

O visto do ex-ministro Abraham Weintraub para entrar nos Estados Unidos foi pedido com dados do passaporte diplomático, documento que ele tinha por ser membro do governo federal. A informação foi publicada pelo Ministério das Relações Exteriores, com informações liberadas via Lei de Acesso à Informação (LAI).

Segundo o jornal O Globo, também não há registro de devolução do passaporte do ex-ministro, conforme informou o Itamaraty ao veículo. O Ministério escreveu que “O Senhor Weintraub limitou-se a indicar a intenção de viajar a Washington com a brevidade possível.

Weintraub é um dos alvos do inquérito das fake news e investigado por declarações racistas contra a China.

Ele foi demitido do Ministério da Educação em 18 de junho, mas a sua exoneração não foi oficializada na data. Com a dispensa, Weintraub foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para um cargo no Banco Mundial. Em 19 de junho, ele foi para Miami.

Na nota do Ministério, o procedimento foi “habitual em casos de designação de representantes do governo brasileiro junto a organismos internacionais”.

No mesmo dia da viagem, o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) havia pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o passaporte de Weintraub fosse apreendido, para evitar que ele saísse do país.

Parlamentares do PT, PDT, PSB, Rede, PSOL e PCdoB também protestaram contra a ida de Weintraub aos Estados Unidos, em documento encaminhado ao embaixador americano em Brasília, Todd Chapman.

Confira a nota do Palácio do Itamaraty, na íntegra.

No 18 de junho de 2020, o Ministro de Estado das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, foi informado pelo Senhor Abraham Weintraub, então Ministro de Estado da Educação, sobre sua designação, pelo governo brasileiro, para o cargo de Diretor-Executivo do Banco Mundial. Na ocasião, o Senhor Weintraub apresentou carta, datada de 17 de junho de 2020, pela qual o Ministério da Economia informava o Banco Mundial sobre a indicação, e solicitou os bons ofícios do Ministério das Relações Exteriores para requerer visto de entrada nos Estados Unidos. O Senhor Weintraub limitou-se a indicar a intenção de viajar a Washington com a brevidade possível.

Com base no teor da mencionada carta do Ministério da Economia, o Ministério das Relações Exteriores passou nota à Embaixada dos Estados Unidos em Brasília, datada do mesmo dia, solicitando a emissão de visto correspondente em favor do Senhor Abraham Weintraub. Trata-se aqui de procedimento habitual em casos de designação de representantes do governo brasileiro junto a organismos internacionais. A nota informa os dados do passaporte diplomático do Senhor Weintraub e indica, como período da missão, o restante do ano de 2020.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem