Bolsonaro indica Abraham Weintraub para Banco Mundial

A cadeira representada pelo Brasil na diretoria-executiva do banco é integrada por mais oito países

Bolsonaro indica Abraham Weintraub para Banco Mundial

Política

O governo brasileiro oficializou a indicação do ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, para o Banco Mundial. Em nota, afirmou que seu nome foi encaminhado para o diretor-executivo do grupo de países que o Brasil lidera no Banco Mundial.

A cadeira representada pelo Brasil na diretoria-executiva do Branco Mundial é integrada por Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá.

Em um vídeo publicado em suas redes sociais na tarde desta quinta-feira que oficializava sua demissão, Weintraub citou o convite que recebeu para ser diretor do Banco. “Não quero discutir os motivos da minha saída, não cabe. O importante é dizer que eu recebi um convite para ser diretor de um banco, já fui diretor de banco no passado, porém volto ao cargo no Banco Mundial”, disse.

O ex-ministro agradeceu seus apoiadores e disse que tem “muitos Weintraubs” no País. Também declarou a continuidade do apoio ao presidente Bolsonaro. Reveja o vídeo da saída do ex-ministro gravado ao lado de Bolsonaro.

A saída de Weintraub do cargo vinha sendo especulada desde a divulgação da reunião ministerial do dia 22 de abril, situação em que o então ministro da Educação se referiu aos ministros do STF como “vagabundos” e os ameaçou de prisão. “Eu, por mim, colocava esses vagabundos todos na cadeia. Começando pelo STF”.

No último final de semana, o ministro voltou a criticar os ministros da Corte em uma manifestação que participou em Brasília. Weintraub, inclusive, foi multado em R$ 2 mil por desobedecer lei estadual que determina o uso obrigatório de máscaras em vias públicas da região.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem