Economia

Laranjal e 1ª derrota dificultam a aprovação da Reforma da Previdência

Proposta é a prova de fogo do governo Bolsonaro, que enfrenta pressão depois da jornada malsucedida durante a gestão Temer

Bolsonaro entrega texto da Reforma da Previdência a Rodrigo Maia (Foto: Agência Câmara Notícias)
Bolsonaro entrega texto da Reforma da Previdência a Rodrigo Maia (Foto: Agência Câmara Notícias)

Depois de muitas idas e vindas, a Reforma da Previdência volta ao Congresso. Findado o prazo para o envio do texto nesta quarta-feira 20, Jair Bolsonaro foi à Câmara entregar a proposta do governo ao presidente Rodrigo Maia. Deputados do PSOL recepcionaram o presidente vestidos com um avental laranja e segurando a fruta.

Leia também: Proposta da Previdência prevê aposentadoria aos 65 anos

A reforma é a prova de fogo do governo, que enfrenta pressão por aprovação rápida e indolor depois da jornada malsucedida no governo Temer: à época, a proposta embolorou conforme o escândalo da JBS avançava, e acabou não passando sequer do plenário da Câmara.

Pouco se sabe do teor da proposta do governo Bolsonaro: o governo já antecipou, por exemplo, idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, com uma janela de 12 anos para a transição. Outro ponto polêmico é a tentativa de pagar menos de um mínimo a idosos e deficientes pobres.

A ideia é que o regime atual, de repartição, se transforme aos poucos em capitalização. Trocando em miúdos: ao invés da solidariedade entre gerações, cada trabalhador passaria a poupar individualmente para a própria aposentadoria.

Leia também: Comandante quer exclusão de militares da reforma da Previdência

O laranjal do PSL e as crises público-privadas entre Bolsonaro, filhos e aliados fragilizam o governo. Na primeira derrota na Câmara, os deputados aprovaram (de lavada, por 367 votos a 57) a anulação do decreto anti-LAI do general Mourão. Além disso, essa reforma vai contra os interesses eleitorais dos deputados.

São necessários 302 votos para aprovar uma PEC. Mesmo que o PSL tenha a maior bancada da Câmara – 54 deputados, mesmo número do PT – a aprovação não sai sem o apoio do centrão: DEM, PR, PPS, Podemos e correlatos. Além disso, mexer na aposentadoria fere interesses eleitorais. Não será fácil.

No PDT, o lema é conter danos e evitar o quanto pior, melhor. O partido admite a necessidade da reforma, mas rechaça o modelo Guedes de capitalização e é contra, por exemplo, o fim da contribuição patronal e a idade mínima. Em debate na manhã desta terça-feira 19, Carlos Lupi, Ciro Gomes e outros líderes prometeram fazer uma caravana nacional explicando pontos da reforma.

Mesmo os grandes artífices da reforma admitem que a discussão será longa. Paulo Guedes diz que a votação da Câmara deve demorar pelo menos cinco meses. Em comunicado enviado a investidores, o Itaú previu que a reforma só será aprovada pelo Senado em novembro.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!