Economia

Reforma da Previdência endurece regime de servidores. Veja a íntegra

Na prática, texto dificulta acesso e reduz valor dos benefícios do funcionalismo. Proposta para os militares virá depois

Depois de entregar a Rodrigo Maia o texto da Reforma da Previdência, o governo está apresentando os pontos da mudança. A reforma endurece o regime dos servidores e não inclui os militares.

O projeto mantém a mudança na idade mínima: de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, e estabelece três regras de transição. Antes vinculadas ao salário total, as alíquotas de contribuição passam a aumentar conforme a faixa salarial, podendo chegar a 14%. A lógica é semelhante à do Imposto de Renda.

Outro ponto de destaque é a mudança no regime próprio dos servidores públicos. Na prática, o texto dificulta o acesso e reduz o valor dos benefícios. No caso dos servidores, a alíquota de contribuição pode chegar a 22%. A idade mínima de aposentadoria dos professores será de 60 anos (antes não havia idade mínima), e com no mínimo 30 anos de contribuição.

A apresentação também detalha a proposta do governo para regimes de capitalização.

Confira os principais pontos da reforma aqui.

Leia também: Laranjal e 1ª derrota dificultam a aprovação da Reforma da Previdência

A reforma está sendo apresentada em entrevista coletiva pelos secretários Bruno Bianco (Secretaria Especial de Previdência e Trabalho), Leonardo Rolim (Previdência) e Narlon Gutierre (adjunto de Previdência), vinculados ao Ministério da Economia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!