Política

Governo Lula demite número 3 da Abin, alvo da PF por uso de programa espião sob Bolsonaro

Os nomes dos outros dois servidores exonerados ainda não foram divulgados

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O governo Lula (PT) exonerou nesta terça-feira 24 Paulo Maurício Fortunato, o número 3 da atual direção da Agência Brasileira de Inteligência, e demitiu outros dois integrantes da cúpula do órgão investigados por suspeita de usar irregularmente uma ferramenta de espionagem.

Na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, já havia afastado Fortunato do cargo. Agora, a demissão foi confirmada pelo ministro da Casa Civil, Rui Costa.

Os nomes dos outros dois servidores exonerados ainda não foram divulgados.

Sob o governo de Jair Bolsonaro (PL), período em que o software israelense foi utilizado pela Abin, Fortunato era diretor de Operações de Inteligência. Na gestão Lula, ele foi nomeado pelo atual chefe da agência, Luiz Fernando Corrêa, para o posto de secretário de Planejamento e Gestão.

Na semana passada, durante uma operação autorizada pelo STF, a Polícia Federal encontrou 171 mil dólares em dinheiro vivo na casa de Paulo Maurício Fortunato.

Com a Operação Última Milha, a PF buscou investigar a utilização indevida, por servidores da Abin, de um sistema de geolocalização de dispositivos móveis sem autorização judicial. Um dos presos é Rodrigo Colli, profissional da área de contrainteligência cibernética da agência. O outro é o oficial de inteligência Eduardo Arthur Izycki. Ambos são os suspeitos de coagir os colegas para evitar demissão.

O programa First Mile permitia o monitoramento de até 10 mil donos de celulares a cada 12 meses. Bastava digitar o número do contato telefônico desejado no programa, conforme revelou o jornal O Globo. A tecnologia localizava aparelhos que utilizam as redes 2G, 3G e 4G.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo