Justiça

Fux: STF segue vigilante no 7 de Setembro e cidadãos devem saber das consequências de seus atos

‘É voz corrente nas ruas que, na quadra atual, o povo brasileiro jamais aceitaria retrocessos’, afirmou o presidente da Corte

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF
O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, fez um novo alerta nesta quinta-feira 2 sobre os atos de rua marcados para 7 de setembro. Incentivados pelo presidente da República, bolsonaristas organizam uma mobilização marcada por pautas antidemocráticas e ataques ao Poder Judiciário, em especial ao STF e ao Tribunal Superior Eleitoral.

“Esta Suprema Corte, guardiã maior da Constituição e árbitra da Federação, aguarda que os cidadãos agirão, em suas manifestações, com senso de responsabilidade cívica, respeito institucional e cientes das consequências jurídicas de seus atos, independente da posição político-ideológica que ostentam”, afirmou Fux, na abertura da sessão plenária.

O magistrado reforçou que, em um ambiente democrático, manifestações públicas são pacíficas. “Por sua vez, a liberdade de expressão não comporta violências e ameaças. O exercício de nossa cidadania pressupõe respeito à integridade das instituições democráticas e de seus membros”.

Segundo Fux, o STF, “instituição centenária e patrimônio do povo brasileiro, segue atento e vigilante neste 7 de setembro, em prol da plenitude democrática do Brasil”.

No discurso, o presidente da Corte ainda declarou que somos testemunhas oculares de que o caminho para a estabilidade da democracia brasileira “não foi fácil, nem imediato”. Por esta razão, prosseguiu Fux, “é voz corrente nas ruas que, na quadra atual, o povo brasileiro jamais aceitaria retrocessos”.

“Há mais de 30 anos nossos cidadãos manifestaram seu desejo pela democracia, e esse desejo permanece vivo e perpassa o compromisso nacional em prol de debates públicas, permeados pelos ideais republicanos”, acrescentou.

“A crítica construtiva provoca reflexões, descortina novos pontos de vista e convida ao aprimoramento constitucional. Ao revés, a crítica destrutiva abala indevidamente a confiança do povo nas instituições do País. É por isso que a postura ativa e ordeira da população, em prol de suas pautas sociais, políticas e ideológicas, revela-se manifestação louvável. Por outro lado, como patrimônio coletivo, a nossa democracia desperta o senso de responsabilidade de todos os brasileiros, que devem reafirmá-la em todos os momentos da vida. Afinal, a nossa democracia não nos foi herdada nem outorgada, mas corajosamente conquistada”, afirmou também.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!