Justiça

PGR pede ao STF a rejeição de recurso de Bolsonaro contra a inelegibilidade

Por 5 votos a 2, o TSE condenou o ex-presidente a oito anos longe das urnas

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

A Procuradoria-Geral da República defendeu nesta quinta-feira 25 que o Supremo Tribunal Federal rejeite um recurso da defesa de Jair Bolsonaro (PL) contra a decisão do Tribunal Superior Eleitoral que condenou o ex-presidente a oito anos de inelegibilidade.

No STF, o Recurso Extraordinário tramita sob a relatoria do ministro Cristiano Zanin. Na semana passada, os advogados de Bolsonaro pediram à Corte a declaração de impedimento do relator, mas ainda não obtiveram sucesso.

Em junho de 2023, por 5 votos a 2, o TSE condenou Bolsonaro a oito anos de inelegibilidade no caso da reunião com embaixadores estrangeiros em que o então presidente repetiu fake news sobre o processo eleitoral e atacou instituições.

Segundo a PGR, a jurisprudência do STF veta a possibilidade de revisitar o entendimento do TSE a fim de assentar que o discurso de Bolsonaro na ocasião teria representado mera liberdade de expressão, sem configuração de “desinformação ofensiva à normalidade do processo eleitoral”.

O documento é assinado pelo vice-procurador-geral eleitoral Alexandre Espinosa Bravo Barbosa.

“Da mesma forma, reavaliar o juízo efetuado pelo TSE sobre o dano causado à higidez do processo na conduta perpetrada pelo recorrente envolve necessariamente reconstruir fatos relevantes, tarefa imprópria à instância extraordinária.”

Ainda que Jair Bolsonaro conseguisse no STF a improvável reversão da sentença no caso dos embaixadores, continuaria a valer outra condenação imposta pelo TSE a oito anos de inelegibilidade. Em outubro passado, também por 5 votos a 2, a Corte eleitoral concluiu ter havido abuso de poder nas cerimônias do 7 de Setembro de 2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo