Economia

assine e leia

Esquizofrenia

Bolsonaro troca o comando da Petrobras, mas não mexe na política de preços. E a Câmara aumenta a bagunça

Marola. Guedes e Sachsida voltam à cantilena da privatização. Quem ainda acredita? - Imagem: Edu Andrade/ME
Marola. Guedes e Sachsida voltam à cantilena da privatização. Quem ainda acredita? - Imagem: Edu Andrade/ME
Apoie Siga-nos no

Jair Bolsonaro fala grosso contra as urnas eletrônicas, mas, quando se trata da política de preços da Petrobras, a voz afina. Diante do estrago causado pela inflação dos combustíveis em suas chances de reeleição, o ex-capitão resolveu trocar pela terceira vez em 13 meses o presidente da companhia. O químico industrial José Mauro Ferreira Coelho durou 45 dias. Dará lugar a Caio Mario Paes de Andrade, graduado em Comunicação e atual secretário de Desburocratização do Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes. Não se ouve, porém, nada da parte de Bolsonaro sobre botar fim à política de reajustes automáticos, ao sabor da variação do dólar e do preço do barril do petróleo, que desde 2016 marca as decisões da estatal na gasolina, no diesel e no botijão de gás. É uma situação esquizofrênica. O presidente precisa de controle de preços para ter mais chances na campanha, ao mesmo tempo que acena, por meio do ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, com a privatização da petroleira, negócio que eternizaria o modelo atual de aumentos. “O PPI (Preço de Paridade Internacional) é um cemitério de presidentes da Petrobras”, diz William Nozaki, coordenador técnico do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, o Ineep.

A esquizofrenia e o cemitério bagunçaram Brasília nos últimos dias, num turbilhão que empurra deputado contra senador e levará governadores ao Supremo Tribunal Federal. Para dar uma mão à reeleição de Bolsonaro, o presidente da Câmara, Arthur Lira, do PP de Alagoas, comandou a aprovação, na quarta-feira 25, de uma lei que limita a 17% o ICMS cobrado de combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte público. Cortesia com chapéu alheio, conforme anotado pela oposição. O ICMS é um imposto dos estados e estes é que foram chamados a pagar o pato da política de preços da Petrobras mantida inalterada por Bolsonaro, Guedes, Sachsida e cia.

Os deputados, sob comando de Arthur Lira, limitaram a cobrança de ICMS. O abacaxi agora é do Senado

André Barrocal
Repórter especial de CartaCapital em Brasília

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.