Justiça

‘Espero que o Moro tenha o direito de defesa que eu não tive’, diz Lula sobre processo contra ex-juiz

Ação de deputados do PT que pedem condenação do ex-juiz por prejuízos causados ao País foi acatada pela Justiça Federal nesta segunda-feira 23

Lula e Sergio Moro. Fotos: Miguel Schincariol/AFP e Evaristo Sá/AFP
Lula e Sergio Moro. Fotos: Miguel Schincariol/AFP e Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Lula (PT) afirmou ter o desejo de que o ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) seja julgado de forma imparcial na ação que o acusa de ter causado graves prejuízos ao País. Ao destacar o ‘desejo’, Lula fez questão de lembrar do tratamento dado pelo ex-juiz a ele nas ações da Lava Jato, em que o petista chegou a ser preso, mas teve as condenações anuladas.

“Só espero que na acusação contra Moro ele tenha o direito de defesa e a presunção de inocência que eu não tive”, disse o ex-presidente ao ser questionado sobre a ação de deputados do PT contra o ex-juiz acatada nesta segunda-feira 23 na Justiça Federal.

No pedido, os parlamentares apontam os prejuízos causados pelo ex-juiz durante sua atuação parcial nos julgamentos da Operação Lava Jato. Pesam contra Moro a sua ida ao Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro e sua associação ao escritório Alvarez & Marsal, consultoria jurídica dos Estados Unidos que atende empresários condenados por Moro na operação.

A ação foi acatada nesta segunda pelo juiz Charles Renaud Frazão de Morais, da 2ª Vara Federal Cível da Justiça Federal do Distrito Federal. No despacho, o magistrado determina a citação do réu – prazo para que Moro apresente sua defesa prévia, indicando testemunhas e provas -, além de intimar o Ministério Público Federal para que o órgão tome ciência da ação.

“Se ele for julgado, que tenha o direito de se defender e que a imprensa possa divulgar informações contra ou a favor dele sem a parcialidade que transmitiram as coisas contra mim”, afirmou Lula.

Ainda sobre a ação, Lula disse que considera que Moro cometeu os crimes dos quais é acusado pelos parlamentares.

“Pessoalmente acho que ele cometeu um crime contra o país. Os prejuízos com o carnaval que ele fez na Lava Jato foram muito grandes”, destacou Lula antes de citar dados de um estudo produzido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que embasa a ação dos deputados contra o ex-juiz.

Na publicação, os economistas do Dieese apontam que a Lava Jato causou o fechamento de 4,4 milhões de vagas de emprego no país e um prejuízo estimado em 172,2 bilhões de reais em investimentos.

Mais cedo, Moro se posicionou sobre o caso e classificou a ação como ‘risível’. “Assim que citado, me defenderei. A decisão do juiz de citar-me não envolve qualquer juízo de valor sobre a ação. Todo mundo sabe que o que prejudica a economia é a corrupção e não o combate a ela”, escreveu o ex-juiz.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.