CartaExpressa

Justiça recebe ação que pede condenação de Moro por prejuízos causados ao País

Deputados do PT querem que ex-juiz ressarça os cofres públicos por danos à Petrobras e à economia brasileira após atuação na Lava Jato

O ex-juiz Sergio Moro. Foto: Talita Giudice/Divulgação/Super Rádio Tupi
Apoie Siga-nos no

O juiz Charles Renaud Frazão de Morais, da 2ª Vara Federal Cível da Justiça Federal do Distrito Federal, acatou na segunda-feira 23 uma ação popular impetrada por deputados do PT contra o ex-ministro Sérgio Moro.

Os petistas pedem que o ex-juiz seja condenado a ressarcir os cofres públicos por alegados prejuízos causados à Petrobras e à economia brasileira por sua atuação à frente da Operação Lava Jato.

No despacho, o magistrado determina a citação do réu – prazo para que Moro apresente sua defesa prévia, indicando testemunhas e provas -, além de intimar o Ministério Público Federal para que o órgão tome ciência da ação.

A ação, que é assinada pelo advogado Marco Aurélio de Carvalho, do grupo Prerrogativas, os deputados do PT afirmam que “o ex-juiz Sergio Moro manipulou a maior empresa brasileira, a Petrobras, como mero instrumento útil ao acobertamento dos seus interesses pessoais”.

Nesta terça-feira 24, Moro classificou a ação como “risível”. “Assim que citado, me defenderei. A decisão do juiz de citar-me não envolve qualquer juízo de valor sobre a ação. Todo mundo sabe que o que prejudica a economia é a corrupção e não o combate a ela”, escreveu o ex-juiz.
Leia o despacho:
 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar