Política

Dino determina que a PF abra inquérito para apurar suposto genocídio contra yanomamis

A apuração de crimes ambientais também estará no bojo da investigação

O ministro da Justiça, Flávio Dino. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça, Flavio Dino, determinou que a Polícia Federal abra um inquérito para apurar supostos crimes ambientais e de genocídio contra a população indígena yanomami.

“O presidente Lula determinou que as leis sejam cumpridas em todo o país. E vamos fazer isso em relação aos sofrimentos criminosos impostos aos Yanomami. Há fortes indícios de crime de genocídio, que será apurado pela PF”, afirmou o ministro que, neste sábado 21, integrou uma comitiva do governo federal, liderada pelo presidente Lula (PT) ao estado de Roraima depois de graves denúncias de desnutrição entre a população.

O presidente Lula anunciou que vai priorizar o atendimento à população yanomami, além de agir com rigor no combate ao garimpo ilegal, que tem impedido que as comunidades preservem seus direitos.

“É importante as pessoas saberem que esse país mudou de governo que vai agir com rigor no combate ao garimpo”, disse, ao também pontuar estar ciente das dificuldades. “Eu posso dizer que não vai mais existir garimpo ilegal. E eu sei da dificuldade de se tirar o garimpo ilegal, já se tentou outras vezes, mas eles voltam. O que eu posso dizer é que nós vamos tirar”, afirmou.

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde decretou emergência em saúde pública em decorrência da desasisstência do povo Yanomami. De acordo com o ministério dos Povos Indígenas, pelo menos 570 crianças Yanomamis morreram de fome e por contaminação com mercúrio nos últimos quatro anos, principalmente devido à atuação de garimpeiros ilegais; quase 100 mortes ocorreram só no ano de 2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo