Diversidade

Damares recebe grupo de ex-gays e psicólogos que defendem a cura LGBT

O grupo se define como a ‘minoria das minorias’ e compartilha histórias de pessoas que se dizem libertas das ‘ideologia de gênero’

Foto: divulgação
Apoie Siga-nos no

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, recebeu na segunda-feira 5 o grupo Psicólogos em Ação, nome dado à chapa que concorre à eleição para o Conselho Federal de Psicologia, que será realizada entre os dias 23 e 27 de agosto. A equipe é formada por profissionais que defendem a cura gay, como é o caso de Rozangela Alves Justino, ativista na área.

Além da chapa dos psicólogos, participou da reunião o grupo Movimento Ex-Gays do Brasil, que reúne pessoas que se dizem “curados” da homossexualidade e estão se reunindo pelas redes sociais há três meses.

Em sua página no Facebook, o grupo se define como a “minoria das minorias” e compartilha histórias de pessoas que se dizem libertas das “ideologias de gênero”. O telefone de contato da página traz um prefixo de Curitiba e o lema do grupo é “Pelo direito de deixar e permanecer.”

 

Nas redes sociais, tanto o grupo de psicólogas quanto o dos ex-gays divulgaram fotos com a ministra, mas não disseram o que foi tratado no encontro. CartaCapital entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos pedindo mais detalhes da reunião, mas não teve retorno até a publicação da reportagem.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo