Política

Comissão do Senado aprova convocação de substituto de Milton Ribeiro no MEC

Victor Godoy Veiga deverá explicar o áudio em que o ex-titular da pasta afirma que priorizava prefeituras indicadas pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado aprovou nesta quinta-feira 31 um requerimento de convocação do ministro interino da Educação, Victor Godoy Veiga, para que ele explique o áudio em que o ex-titular da pasta, Milton Ribeiro, afirma que priorizava as prefeituras indicadas pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura, líderes da Igreja Ministério Cristo para Todos, na liberação de recursos do FNDE.

“Estamos diante de um caso claro de tráfico de influência e, mais uma vez, a confirmação de gabinete paralelos no governo federal”, afirmou o senador Jean Paul Prates, autor do pedido de convocação.

No documento, o parlamentar afirma ainda que, no governo do presidente Jair Bolsonaro, “a gestão do MEC vem sendo marcada por descontinuidade, incompetência, ideologização, descompromisso e tudo sugere que também por ilegalidades”.

Na semana passada, os senadores aprovaram um outro requerimento para que Milton Ribeiro comparecesse nesta quinta ao colegiado. No entanto, em ofício endereçado ao senador Marcelo Castro (MDB-PI), presidente da comissão, o Ministério da Educação informou que o ex-ministro não poderia comparecer.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo