Política

Exército excluirá discursos de ódio em suas redes sociais e pode alertar autoridades

Segundo a Força, o bloqueio de conteúdo pode ser imediato, independentemente de justificativa

Foto: Exército Brasileiro/Reprodução
Apoie Siga-nos no

O Exército fixou novas diretrizes para a moderação de comentários de usuários em suas páginas nas redes sociais. As normas preveem a possibilidade de bloqueio imediato e aviso às autoridades.

O documento, intitulado Política de moderação nas mídias sociais do Sistema de Comunicação Social do Exército Brasileiro, partiu do Centro de Comunicação Social da Força.

Entre as mensagens passíveis de punição estão aquelas que:

  • usem linguagem inapropriada, obscena, caluniosa, grosseira, abusiva, difamatória, ofensiva ou de qualquer outra forma reprovável;
  • concretizem apologia a práticas ilícitas;
  • incitem o ódio, a violência, o racismo ou façam discriminação de qualquer ordem;
  • contenham ameaças, assédio, injúria, calúnia ou difamação, ou configurem qualquer outra forma de ilícito penal;
  •  sejam ininteligíveis ou descontextualizadas;
  • contenham propagandas político-partidárias;
  • apresentem manifestações ou opiniões de cunho político ou ideológico.

“O usuário que desrespeitar essas regras poderá, a critério do CComSEx, ser bloqueado imediatamente, independentemente de justificativa, consulta ou aviso, e, conforme o conteúdo, as mensagens poderão ser encaminhadas às autoridades competentes”, alerta a Força.

Segundo as novas diretrizes, estão sujeitas a moderação mensagens de usuários, respostas e comentários.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo