CartaExpressa

CCJ do Senado aprova PEC que barra militares da ativa em eleições

A proposta seria votada na semana passada, mas a análise foi adiada por um pedido de vista do senador Ciro Nogueira (PP-PI)

O presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre. Foto: Geraldo Magela/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou, em votação simbólica nesta quarta-feira 29, a PEC que proíbe militares da ativa de participar de eleições. Agora, o projeto segue para o plenário. Se for aprovado, ainda precisará do aval da Câmara dos Deputados.

A proposta seria votada na semana passada, mas a análise foi adiada por um pedido de vista do senador Ciro Nogueira (PP-PI).

O texto, de autoria do senador Jaques Wagner (PT-BA), é considerado uma resposta à politização das Forças Armadas durante a gestão de Jair Bolsonaro (PL). Inicialmente, a PEC incluía a proibição de militares assumirem cargos no primeiro escalão de governos civis, mas este trecho não chegou a ser apresentado.

A proposta prevê que, assim que um militar da ativa apresentar um registro de candidatura para eleições, ele irá para a reserva. Se o militar tiver mais de 35 anos de serviços prestados. poderá ir para a reserva remunerada. Ou seja, ele continuará a receber seu salário durante a disputa.

O relator da proposta na CCJ, senador Jorge Kajuru (PSB-GO), disse em seu parecer que a nova regra permitirá a “completa confiabilidade” no juramento dos militares à Pátria.

Atualmente, a Constituição Federal determina que o militar alistável é elegível, caso se afaste da atividade, se tiver menos de 10 anos de serviço. Se o militar tiver mais de 10 anos de serviço, no entanto, ele é “agregado pela autoridade superior” e só iria para a reserva se fosse eleito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.